segunda-feira, 18 de junho de 2018

Reino de utopia


Seria o coaxar das rãs ao sol-pôr
A oblíqua cruz desenhada no terreno
Despido. Ou o cheiro a feno?

As pétalas disputavam
O brilho do poeta e a aura do pintor
E o charco absorvia o deleite de fim de tarde.

E havia um poema a macerar a cerejeira.
 E a disputa, a arte, o acaso do jogo
E a excitação. O brinde, a celebração.

Ao fino néctar degustado
Vibrava o verde das copas
E os translúcidos corpos evaporados

As rãs entoaram uma nota  acima
E o breu abriu os portões da despedida.

E o que nos seduziu?
Terá sido este reino de utopia
Que o coração do planalto ofereceu?

Teresa Almeida Subtil 



17 comentários:

  1. Bom dia, estimada amiga Teresa!
    Que lindeza termos a natureza a nosso favor colaborando ativamente para também alimentar versos tão lindos como estes seus!
    Seja ricamente abençoada!
    Bjm fraterno e carinhoso de paz e bem
    🤗😗💙

    ResponderEliminar
  2. Que linda poesia amiga! Poetizou a natureza majestosamente. Parabéns! Abraços, feliz semana

    ResponderEliminar
  3. o esplendor do poema como fruto. e cheiro. e cor.
    fica-me o sabor...
    (parece que agora consigo comentar, com este pc)
    um forte abraço, Teresa

    ResponderEliminar
  4. belo poema, Teresa
    quando ao sortilégio do planalto se junta o "brilho do poeta" e a "aura do pintor" o resultado apenas pode ser único . até as rãs afinam seu concerto.

    beijo, minha amiga

    ResponderEliminar
  5. A maior utopia é a própria vida (viver...) e
    esta belíssima foto, registro do sol neste magnífico
    ritual-vida.
    A mais bela inscrição desta utopia é a poesia.
    Este seu belo poema (sempre assim aqui...) a descrever
    "o brilho do poeta" (o sol) em que "as pétalas disputavam"
    na "aura do pintor" e a vida a percorrer as horas neste
    ritual amarelado brilhante do sol...

    Pura e bela harmonia: foto e poema, querida Teresa.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  6. A tua poesia , vejo -a antes de mais , como uma sinfonia de cores e sons e todas as sinestesias com que a Natureza te embriaga . Não é por acaso quando falas em reino da utopia tal é o teu torpor perante esse quadro extasiaste . E como te vejo a disparar palavras e nenhuma ser a que te preenche!
    Aqui, eu também me senti assim ...
    Belo , Teresica, querida amiga ❤️
    Um abraço 🎀

    ResponderEliminar
  7. A utopia quase nunca se alcança, mas deve ser perseguida...
    Um poema campestre, com pinceladas literárias de fino quilate.
    Gostei muito, muitíssimo, parabéns pela excelência poética das tuas palavras.
    Bom fim de semana, amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. Parece um poema vindo da minha pequena barragem. A natureza no seu bom desempenho poético.
    Bom verão.
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Bom dia, "E o que nos seduziu?" é simples, foi o belo poema partilhado.
    Feliz fim de semana,
    AG

    ResponderEliminar
  10. O que me seduziu foi este seu poema, tão belo, tão cheio de fulgor poético a celebrar tudo o que a rodeia…
    Uma boa semana, Teresa.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  11. Eu já sou mais dramática, li esse belo poema como uma busca constante pela vida, pelo reino utópico que jamais alcançaremos, pelo simples fato de que o ser humano é insatisfeito por natureza. Então corremos; vamos ao alcance desse reino que se promete todo ao nosso olhar, seja nas linhas do poeta, seja nas cores dos artistas... fica mais bonito...
    Beijo, querida amiga, muito lindo, convite a uma boa reflexão.

    ResponderEliminar
  12. https://poemasdaminhalma.blogspot.com/
    Olá Teresa!
    Belíssimo poema, Reino da Utopia, as maravilhas da natureza e o coaxar das rãs ao sol-pôr.
    É fascinante o olhar da natureza poético.
    Beijinho e continuação de ótima semana.
    Luisa

    ResponderEliminar
  13. Olá, bom dia!




    Imagem e versos, ambos de uma beleza ímpar, a cruz, que perfeição da natureza, bem como o sol espargindo luz.
    Bela partilha!
    Abraço!

    http://afetocolorido.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  14. Uma inspiração, plena de sensações e aromas!... Que nos deixa no ar, este entardecer com sabor a encanto... para saborear e descobrir em cada palavra...
    Mais um pedaço de escrita maravilhosa, Teresa!... Muitos parabéns, por tão bela inspiração!...
    Beijinhos! Feliz e inspirada semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  15. Olá, Teresa,
    E que bela utopia! E que bela construção de poema! Percorro o poema e me inundo de sensações das pinceladas do pintor e da libertação da poeta!
    Muito bem construído o poema"
    Um beijo, minha amiga Teresa!

    ResponderEliminar
  16. Olá, Teresa!

    Um belo poema, lindamente construído. Gostei muito de ler.
    Um bom fim de semana.
    Beijos!

    ResponderEliminar

O comboio nunca partiu