sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Se vieres ...




Lança-me nos ombros um xaile de seda das índias
E o abalo de especiarias de Bombaim,
Tozeur ou de Fez. E chá de menta e amendoim.
Toca, toca-me a pele numa melodia andina.
E da Argentina guarda-me o arrepio do tango.

Da vertigem de Iguaçu faz-me verso-aventura
E exalta a rima que se esconde na magia
Das chaminés de fada.
Veste-me a saia mexicana bordada e comprida
Que faz do armário a 5ª avenida. Eleva-me
Na escadaria de Chichinitza e que o sol
Serpenteie a palavra.

Despe-me em Copacabana,
Capri ou Palma querida. Traz a iguana amiga
e as tulipas da Holanda. De Paris
Entrecruza a arte de rua e desce
Ao sabor de crepes e abraços.

Mete o Sena, o Tamisa, o Reno e os Fiordes
Na mesma estrofe. Traz-me terras de fogo
E os vulcões de Lanzarote,
E as cores macias das hortênsias dos Açores.

Se vieres …
Apanha um barco à deriva no Douro
Escala as arribas, dedilha um socalco de Outono
E mata a sede nos lábios abertos das folhas
Que se tingem de abandono.

Teresa Almeida Subtil



9 comentários:

  1. Teresa,

    um poema de rara qualidade e beleza, minha amiga.

    admirável esse roteiro cosmopolita de referências culturais, que eleva o poema a uma expressividade invulgar e que constitui inteligente e criativo "artificio literário" a conferir à última estrofe o clímax da expressividade poética e a razão de ser do poema

    é, de facto, no Douro e nas suas arribas e "socalcos de Outono" que a sede se mata "nos lábios abertos (...) que se tingem de abandono"

    gostei muito. grande nível, Teresa Almeida.

    beijo

    ResponderEliminar
  2. Querida Teresa

    Permita-me acompanhá-la, eu e o meu xaile de seda, nesse périplo encantador onde se provam todos os sabores e se sentem todos os cheiros, aliás, com todos os sentidos ao rubro. E o Douro ali à espera numa oferta generosa do líquido dos deuses e da sua bela paisagem.

    Divino este poema!

    Bj

    Olinda

    ResponderEliminar
  3. Que bela forma de viajar na poesia! Gostei bastante de ler :) beijinhos, boa semana

    ResponderEliminar
  4. Teresa, que magnífico poema! Impossível resistir a tão belos apelos…
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. Belíssimo poema, Teresa! Gostei que citaste elementos bastante familiares a nós! Iguaçu... Minha gratidão! Parabéns, Teresa! Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
  6. Querida poetisa,

    Um poema obra de arte, com o teu estilo feminino
    e sedutor que arrebata o leitor nesta viagem
    mágica irrecusável e também inesquecível!...

    Bravo, minha querida amiga!!!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  7. Um maravilhoso itinerário poético, ao sabor da sua inspiração, Teresa!
    Um poema notável! Para ler e reler!... E viajar nele...
    Beijinho
    Ana

    ResponderEliminar
  8. Bravo!! Bravo !! bela poesia.. uma emoção grande.

    ResponderEliminar

Fui d'abalada