quinta-feira, 29 de abril de 2021

ALELUIA!


Exposição de arte sacra.
Uma mostra da expressão artística, de
Jose Miranda
, está patente na Loja-Museu da Ramirez, de 6 a 30 de Maio. Recomendo.
Aleluia é um tema que apetece cantar todos os dias.








Foi um enorme prazer visitar a primeira exposição de Jose Miranda na Loja-Museu do seu local de trabalho. E foi emocionante ter o autor como guia, perceber o que o move e sentir-lhe a vibração do traço e do percurso.
Não posso deixar de me sentir honrada por ver um poema meu a acompanhar o tema.










21 comentários:

  1. Querida Teresa

    A exposição é rica, com reproduções belíssimas.

    Tive a curiosidade de saber mais sobre o autor e ouvi-o num video em que fala desse hobby, com paixão. Bela maneira de ocupar os tempos livres e de dar asas ao talento.

    Quanto a si, minha amiga, bem o diz, é sempre tempo de cantar "Aleluia", e fá-lo com um poema que eleva e enleva a nossa Alma.

    Bom fim de semana.
    Beijinhos
    Olinda

    ResponderEliminar
  2. Não consegui descobrir em que cidade fica a loja museu que citaste...
    Parabéns pela distinção, querida amiga, mas para ser sincera guardo o meu Aleluia para mais tarde...

    A imagem do teu livro à direita, devia indicar como pode ser adquirido... Não tomei nota... Talvez estivesse em pausa...
    Bom domingo e um semana agradável. Beijinhos.
    ~~~~~~

    ResponderEliminar
  3. Apetece-me dizer: Aleluia, querida Majo! É uma palavra que me traz uma mensagem de alegria e de boa nova. É renovação, recomeço. E devo dizer que é com alegria que encontro as tuas palavras neste meu espaço. O "feed-back" é estimulante para quem se atreve a partilhar as suas emoções.
    O meu segundo livro "Rio de Infinitos/Riu d'Anfenitos" é de produção independente, com o apoio da Poética Editora. Está à venda na Casa da Cultura de Miranda do Douro, no Espaço Miguel Torga em São Martinho de Anta, em livrarias de Bragança. Mogadouro e Miranda do Douro. Eu própria posso enviar-to.
    A Loja - Museu Ramirez fica em Lavra - Matosinhos. Confesso que gostei de entrar na fábrica de conservas da Ramirez, marca de prestígio, através da arte.
    Bom domingo, boa semana, saúde e beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Passei para ver se havia novidades e encontro esta surpresa! Afinal é em Matosinhos, cidade em que reside a minha irmã.

      Eu queria dizer que guardo o Aleluia para o fim da pandemia. A Malvada, já levou tanta gente!
      Vou entrar em contacto contigo por e.mail...
      Tudo bom, querida Teresa. Beijinhos
      ~~~~~

      Eliminar
  4. Uma exposição de José Miranda. Um poema teu, minha Amiga.
    "Em cada botão de Primavera há um eco de aleluia insubmisso" Tão belo, Teresa.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. " E em cada botão da primavera, há um eco de Aleluia insubmisso."
    Teresa,
    Parabéns pelo poema, e pelo destaque na exposição de José Miranda.
    Aleluia, sempre !

    Um beijinho , feliz semana, feliz Maio.

    ResponderEliminar
  6. Parabéns pela distinção, querida Teresa, realmente o poema é belíssimo! Aliás, tudo o que você escreve é belo!
    Uma feliz semana!

    ResponderEliminar
  7. Muito bem representada com o poema que faz parte da exposição. E sem duvida, uma enorme hora.
    Parabéns, querida amiga

    ResponderEliminar
  8. Muitos parabéns, Teresa! Uma distinção merecidíssima e uma colaboração enriquecedora, para a temática da exposição, sobre Arte Sacra, que a força das suas palavras conferiram!...
    Adorei o poema! Beijinhos! Votos de continuação de uma excelente semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  9. Olá, Teresa, estivesse eu em Portugal, certamente iria visitar esse local para ver essa Arte Sacra e também ler esse teu poema, distinção merecida.
    Parabéns a ambos.
    Um bom final de semana
    beijo.

    ResponderEliminar
  10. uma exposição que gostaria de conhecer em todos os seus detalhes...

    tanto quanto me é possivel avaliar, o teu belo poema, capta na pereiçáo o "espírito" da mostra de arte religiosa.

    beijo, Teresa.

    ResponderEliminar
  11. Muitos parabéns Teresa por tão honrosa distinção. Tu mereces!
    O teu excelente poema enriquece o tão bela exposição!
    Permito-me sublinhar o final do poema:

    "Em cada botão de primavera
    Há um eco de aleluia
    Insubmisso."

    Um bom fim de semana.
    Abraço!

    ResponderEliminar
  12. Que honra,não: Linda exposição e poema! beijos, ótima semana,chica

    ResponderEliminar
  13. Teresa, muitos parabéns pela distinção, bem merecida pois o seu poema é divinal.
    É certamente uma interessante exposição.
    Boa semana
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Um previlégio esta distinção tão merecida.Claro que é uma honra esta tua presença numa exposição de excelência.
    O teu belíssimo poema enriquece e adorna
    Muitos parabéns
    Beijnho, querida Teresa

    ResponderEliminar
  15. A tua presença na exposição é uma honra mais que merecida, Teresa.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  16. Boa tarde Teresa,
    Que poema tão belo - Ressurreição - absolutamente sublime.
    Os meus Parabéns por fazer parte dessa exposição que decerto deixa maravilhado quem a visita.
    Um beijinho e saúde.
    Ailime

    ResponderEliminar
  17. A morte faz parte da vida. Nenhum ser humano permanece fisicamente para sempre, sobre a terra. Os que continuam peregrinando alimentam uma constante vontade de renovação, sem o que são impotentes para continuarem a a caminhar.
    Abraço amigo.
    Juvenal Nunes

    ResponderEliminar
  18. A arte, seja ela qual for, deve ser mostrada ao maior número possível de pessoas. Por isso, é de louvar que artista exponha a sua obra.
    Mas não te esqueças da tua arte...
    Bom fim de semana, amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  19. Chego a tempo, sim. Para a poesia não deve haver pressa, sobretudo para um poema tão singular. Para esta impulsão da linguagem, condensando as virtualidades da Ressurreição. Aleluia, digo-lhe eu. Acho que vou acertar o meu passo com o teu, minha amiga!
    Nada disse sobre a exposição porque, neste caso, perdi o bonde.
    Um beijo,

    ResponderEliminar

Por ali ...