quarta-feira, 20 de outubro de 2021

Tresmalhada Ternura




Um corso galgou a colina, em três ou quatro saltos, com elegância e velocidade. Nem deu tempo para o desejado registo fotográfico, mas o instante ficou gravado na memória, como uma prenda aos amantes da natureza. São terras da lombada, pródigas em perfumes de arçã e tomilho e aves pousando ao de leve. As rosas-de-lobo, com pétalas de puríssima seda, estavam no auge.

Depois da curva, era possível ver pegadas de cabra selvagem, bem marcadas pelo peso e pela pressa. Enquanto os caminheiros prosseguiam entre conversas e gargalhadas, um som de desassossego captou os olhares. E na clareira, a breves passos, assistiram ao sagrado momento do nascimento, entre estebas e rosmaninhos.

No meio do espanto, a cadela Violeta precipitou-se e o Pedro foi-lhe no encalço; pegou a chiba (assim lhe chamaram) ao colo – com infinito carinho - e voltou a colocá-la na cama que o destino lhe traçara. E a chiba fez a sua primeira corrida, mal se segurando nas pernas. Julguei ver (sem olhar) lágrimas de tresmalhada ternura. A desatinada Violeta talvez tivesse estropiado o recém- nascido, se lhe tivessem dado tempo. A mãe devia estar embrenhada na floresta, bem perto do receio e do apego.

 E o grupo prosseguiu a caminhada em comovido silêncio.

E do silêncio rompe o poema:

 

 Raiç d'arçana (Lhéngua mirandesa)

 

 Eiqui la palabra ye nial

Raiç d'arçana

Passo stribado

Beiso, seda puríssema

Floresta a oulear

Nuite atrecida

Albura a spigar l die

Zassossego

a spicaçar la chama

Risa a las braçadas

Abraço a cheirar a tomielho

Spiga antalisgada

Amor renacido

An tierras de la Lombada.


 Teresa Almeida Subtil

(Poema premiado em Versos de Amor de Manuel António Pina, Concurso - Museu Nacional da Imprensa/2020)

 







 

…..

 

15 comentários:

  1. Em comovido silêncio fico eu, como se tivesse observado essa cena de "tresmalhada ternura". Tão belo, Teresa!
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. O quadro que "pintaste" é mesmo de tresmalhada ternura.
    E o poema é brilhante, parabéns pelo prémio recebido.
    Continuação de boa semana, amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. Que maravilha Teresa!
    O milagre da vida numa outra dimensão...e talvez mais natural e mais belo!
    Gostei muito. Ler-te é sempre fascinante!

    Um grande abraço!

    ResponderEliminar
  4. Excelente! Que lindo e meigo...

    Admirável o que a minha amiga faz pela Língua Mirandesa! Parabéns.

    Beijo

    ResponderEliminar
  5. Um texto maravilhoso que nos transportou directo, para tão precioso momento... e ultra em conjugado com tão deslumbrante imagem!
    Muitos parabéns, pelo prémio obtido, Teresa!
    Sempre um prazer imenso, vir aqui respirar estes poéticos ares, das serras daí... que nos oferecem encanto e beleza, em estado puro...
    Um beijinho! Desejando-lhe um excelente fim de semana!...
    Ana

    ResponderEliminar
  6. Ternura sem freio, risa a las braçadas, amor renacido.
    Embrenhei-me no texto e no poema, tão belos, e na mensagem
    que nos traz.

    Nós, os outros seres vivos, a natureza.
    Fazemos parte da mesma obra criadora.

    E a amiga Teresa soube fazer-nos sentir essa onda de ternura
    e o perfume que transborda em cada palavra sua, em cada verso.

    Bom domingo, minha amiga.
    Beijinhos
    Olinda

    ResponderEliminar
  7. a Natureza em estado puro
    que nos oferece quadros de invulgar beleza

    beijo Teresa

    gostei muito desse belo passeio

    ResponderEliminar
  8. Boa noite Teresa,
    Um momento muito belo descrito de forma tão real que me emocionou como se estivesse "in loco".
    O poema lindíssimo complementa de forma brilhante.
    Parabéns pelo prémio!
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderEliminar
  9. A Natureza sempre a surpreender, principalmente os mais distraídos.
    Adorei, Teresa!

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  10. Gostei de reler.
    E fiquei maravilhado como da primeira vez.
    Bom fim de semana, querida amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  11. Mais uma vez, fiquei encantada com a leitura da tua narrativa plena de realidade e de poesia...
    Adoro acompanhar-te nesses passeios telúricos, perfumados a tomilho e rosmaninho...
    Grata pelos bons momentos...
    Dias saudáveis e felizes. Beijinhos
    ~~~~~~~

    ResponderEliminar
  12. Vim à procura de novidades.
    Mas vejo que ainda andas tresmalhada...
    Bom fim de semana, querida amiga Teresa.
    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. rssss

      Voltarei na hora mais improvável, mas voltarei! Fico sempre contente quando me desafias a escrever.

      Beijos, amigo Jaime Portela.

      Eliminar

Voltarei!