O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

domingo, 15 de maio de 2011

Balanço Poético



Sei que este mar de poesia
É todo teu
Mas dá-me um pouco
Só um pouquinho
Para que eu possa abraçar
A subtileza das palavras
Que os teus braços
Sejam o meu navio
E no teu balanço poético
Eu aprenda a navegar

Teresa Almeida, 15.05.11

4 comentários:

  1. Estendo-te uma brisa, deixo que uma onda se enrole na praia feita refugio e fiz-me barco a navegar nas palavras deste teu POEMA.
    Não sei dizer mais nada!
    Permite-me os parabéns.
    Beijinhos
    Ricardo

    ResponderEliminar
  2. Uma brisa poética me embala e eu faço-me ao largo com mais confiança.

    Um grande abraço amigo.
    Teresa

    ResponderEliminar
  3. Este não tinha lido! Poesia pura!!!
    Bjuzz, amiga :)

    ResponderEliminar
  4. Este é mais um embalo que me faz bem. E eu agradeço amiga Odete.
    Bjuzz :)

    ResponderEliminar