O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

domingo, 12 de fevereiro de 2012

É cedo

e a alvura do sonho
ainda mal se enxerga…

O vale estreito abre-se como boca faminta
entre a mágoa e o deleite
sequiosa de infinito horizonte.

Acorda verde a poesia
em vereda de manhã orvalhada
qual nuvem que o sonho acaricia.

São molhados os beijos 
em picos negros pendurados.

Esbarra-se a esperança
na angústia de um céu espartilhado.

Teresa Almeida

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

PINCELADAS POÉTICAS - OUSADIA



Cumpre-se hoje o quadragésimo sétimo dia da abertura da tua primeira exposição de pintura – “PINCELADAS POÉTICAS”- e, simultaneamente, da apresentação pública da tua, também primeira, obra poética: “OUSADIA”.
Por este espaço da Casa da Cultura Mirandesa passaram amigos teus, gente habitualmente frequentadora deste tipo de eventos ou, então, simplesmente curiosos.
Da observação e leitura dos trabalhos expostos, estou persuadido de terem levado consigo algo mais para acrescentarem ao acervo do seu pecúlio cultural.
Nos traços, nas formas, nas cores, nas expressões, nas tonalidades da tua obra pictórica, tiveram o ensejo de apreciar a genuinidade e a força do teu talento.
Nos textos poéticos com que nos brindaste, estavam, não apenas  a evocação das tuas memórias, aquelas que calam fundo, no mais fundo das pessoas, como que a desafiarem o tempo, mas também a tua sensibilidade, os teus afectos, os teus anelos, o teu estado de alma.
Poesia e pintura são, em ti, um casamento feliz, o húmus que dá sustento e vida a um jeito teu muito peculiar de ser e de estar em coexistência com a tua envolvência, e que se fundem como que num caldo recheado de emoções.
A exposição pública dos teus trabalhos chegou, hoje, ao fim.
É com sentida emoção e orgulho que ao “cair do pano”, lavro este termo de encerramento e presto honra ao teu mérito e à tua dimensão criadora.
Também no meu modo e jeito de ser, quero dizer-te, sem a eloquência que às circunstâncias seria devida, que me sinto gratificado por ter partilhado contigo, talvez com discrição a mais e participação a menos, tudo aquilo que, neste trajecto de vida, em comum realizámos.
Trajecto de vida iniciado num tempo que começa a ficar-nos distante, que nos criou já estas rugas, que são história dum viver irrepetível.
Dum viver comummente compartido e que nos faz, a ambos, viver na memória um do outro.
Com amor, admiração e estima.
Miranda do Douro, 31 de Janeiro de 2012
O teu marido,
Fernando Subtil

PINCELADAS POÉTICAS de Teresa Almeida

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

O OUTONO CANTA NAS ARRIBAS



Gosto de voar mundo, mas é aqui
que o Outono veste a minha alma de carmim.
É aqui que o rio e as aves
 escrevem a divinal harmonia
que a natureza desfolha dia a dia.

Gosto do Outono que canta nas arribas
e leva ao rubro até os arbustos mais rasteiros.
Num olhar de ave  fico a planar extasiada
sobre um vale que, como a vida
ora se espraia, ora se esconde e serpenteia.

Na sensualidade perfumada do vento
gosto da dança de ave feiticeira
sobre um leito esverdeado de emoções.
Gosto dum rio que se espelha de encantos
e dos versos que escalam íngremes  ladeiras.

Teresa Almeida 02-02-2012