O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

quarta-feira, 7 de junho de 2017



                                                                       " ...  Por isso, deixemo-nos levar por este “Rio de Infinitos”, escrito com cintilante claridade, onde a autora, norteada pelo maior dos ideais, permite que nos enriqueçamos e deleitemos com as suas magníficas criações, deixando-nos a esperança num amanhecer resplandecente, puro, expurgado de males e livre para pensar, sonhar, agir, repleto de Amor. Amor que conseguiu pintar com a sua cor preferida: a brisa da vida. "

Domingos Raposo
03.06-2017

7 comentários:

  1. "Amor que conseguiu pintar com a sua cor preferida: a brisa da vida.". Falar assim de um livro é dizer tanto sobre ele...
    Eu pensava que era uma antologia de autores, mas é um livro teu, Teresa. Como fazer para o ter?
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O meu interesse em ler o teu último livro "Fui quase todas as mulheres de Modigliane" é enorme.
      Adoro trocas, minha querida Graça.
      Grande xi coração.

      Eliminar
  2. Também gosto de trocas. Mando-te o meu e-mail para tocarmos de moradas: gracampires@hotmail.com
    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. Se eu morasse em Portugal não faltaria aos lançamentos dos amigos!
    Beijo, querida Teresa

    ResponderEliminar
  4. A tua "brisa da vida" vai-se espalhando, envolvendo...
    Parabéns, Teresa!

    ResponderEliminar