O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Breve o voo


 Breve o voo. Infinito o amor.
E tão íntima a poesia que me deixaste.
E as flores e os perfumes. E a liberdade.

As palavras que me deste e as fontes cristalinas
Glorificam-te. E do teu nome brotam as mais doces melodias
E as amargas também.
Porque neste verão partiste, minha mãe.

Percebo-te em mim, tão leve como o beijo
E o sentimento da manhã. E o teu passo é meu
E cada momento te pertence. Olhar que elevo.
Azul intenso. Tão breve!

Teresa Almeida Subtil

8 comentários:

  1. Belíssimo, minha amiga!!
    Comovente este voo do amor sublime, que se eterniza
    no teu sentir e na tua poesia...
    Como um sopro leve no gesto, ficará no elo para
    sempre em azul presença a te proteger, eu sei
    disso, as mães quando fazem este voo, ficam no
    gesto eterno azul de proteção para os filhos...
    Beijinhos e abraço bem apertado e cheio de
    afeto da amizade em ti, querida Teresa.

    Ps: Com mais tempo, voltarei para o voo
    da partilha nas tuas postagens anteriores...

    ResponderEliminar
  2. "A Primavera é um jeito da natureza dizer: "É tempo de renascer." Que a nova estação te traga exatamente o que você precisa e procura!AbraçO

    ResponderEliminar
  3. Os que amamos e partem, deixam-nos muitas coisas boas que recordaremos e, por isso, estarão connosco para sempre.
    Magnífico e comovente poema, gostei muito.
    Bom fim de semana, amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  4. Têm excelente perfume, estes versos com que homenageias tua Mãe.
    E doces são as recordações...

    Obrigada pelas boas vindas na minha "CASA".
    Bom Fim-de-semana
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
  5. A mãe. Aquela que nunca esquecemos porque a sua herança foi a liberdade. Tão belo, o poema, Teresa.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  6. A mãe, eterna ligação...
    Fiquei comovido, Teresa. Que as boas memórias perdurem.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  7. Um poema absolutamente tocante... profundo e belo!...
    É tão breve o voo... com os nossos por perto... tudo passa demasiado rápido... Felizmente ficam as recordações, dos nossos anjos que partiram...
    Beijinho!
    Ana

    ResponderEliminar