sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Buônas Antradas

2012

Que grande bentaneira a l´antrada
parece que pulhi fuora nun se bei quaije nada
You que cuidaba que se iba abrir ua rodeira lharga
beio ua caleija apertadica, chena de regubiuras

Que penhascal ye aquel ne l sitio de l miu praino?
Qu´amboras me traem ls uolhos de l´ ancerteza?
Que lonjura de rábia me quier assigurar más alhá?

Nó, nun bou por ende, cumo l poeta dezie
Quiero ber l´outro mirar, l´outra alegrie
L feturo reimbentado que you leio, si
Ne l mirar dun nino que joga sien miedo
Al ampeço de l´anho, al ampeço de la bida
Fazendo sou própio camino.


Teres Almeida 30.12.2011

1 comentário:

  1. Ando por aqui ao sabor do vento,
    Grandes ventanias nos assolam nestes tempos, a estrada cada vez mais longa de incertezas.
    E as crianças aí de nós se deixam de saber sorrir.
    Não sei se consegui fazer bem a minha "tradução" mas sinto que é um poema cheio de força.
    Brisas doces , neste domingo de Páscoa de 2022

    ResponderEliminar

Sou mulher!