sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

PEDRA A PEDRA


                                             (do blogue Amigos de Lagoaça)
PEDRA A PEDRA

Pedra a pedra o blogue vai crescendo
como muro, alicerce de um povo
De um tempo em que as mãos edificavam
... e pedras aparelhavam
Como sonhos que sobreviviam
mesmo em terreno alcantilado

Companheiros da minha infância
como nos lembramos…
das casinhas feitas de pedras preciosas
pedaços que pelos caminhos ficavam
E aquelas mais redondinhas
moldadas pelo temporais
eram berlindes de mil cores

que às mecas jogavam

De tudo isto a vida se fazia
presa a muros graníticos de certezas
herdadas de nossos avós
homens e mulheres que de valores
muralharam o mundo
e seguro o sonharam para nós


Em muros de memórias e afetos
como cordões umbilicais
estaremos sempre ligados
mesmo sentindo que dia a dia

a esperança se esvai
e um cravo vermelho vai murchando
em cada pedra que cai

Teresa Almeida 02-11-2011

4 comentários:

  1. Bello poema lleno de recuerdos,el pasar del tiempo,un abrazo.J.R.

    ResponderEliminar
  2. Deixo apenas um grande bjinho, nada iria acrescentar a comentários que já deixei noutros espaços!
    :) :):) :)

    ResponderEliminar
  3. As pedras fazem história, edificada e afetiva.
    Neste teu apontamento, sinto que partilhas as minha emoções.
    Obrigada José Ramon.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  4. Grata pela presença querida amiga Odete.
    Sabes que me deixas sempre luz.
    Bjuzz

    ResponderEliminar

Literatura de Natal