quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Caminhos de humanidade


Não sei se os passos estão desenhados no firmamento
Involuntários serão e potenciadores de tempestades…
Há raios entre as nuvens, poderosas energias
que derrubam portais de esperança
e estilhaçam lampiões de imaginação.

E o que parecia amor consentido pode virar medo,
espada de Demóstenes na cabeça do mais prevenido.
E o que parecia amigo pode ser perigo, argúcia,
maldade, porque não dizê-lo? Sim, machismo puro,
larvar descriminação. Poema escuridão.

Num virar de página, camuflado de cumplicidade,
circula a ideologia e a poesia eivada de promiscuidade.
Salve-se a grandeza da igualdade. E quando ergueres a espada,
não chafurdes na lama. Dá primazia ao mundo que reclamas.
Ao direito e à amizade. Que teus passos te elevem
e desbravem caminhos de humanidade.

Teresa Almeida Subtil


7 comentários:

  1. É verdade, nem sempre os passos dados percorrem os caminhos da humanidade.
    Um poema que dá que pensar no que vai pelo mundo (e por aqui...). Excelente, parabéns minha amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  2. Teresa,

    poema enorme, que dignifica quem o escreve e engrandece quem o lê

    tens razão, minha amiga. por vezes, mas vale esquecer afrontas e sentimentos mesquinhos, procurando que os passos que damos "elevem" e "desbravem caminhos de humanidade"

    grato, por este momento sublime de Poesia.

    beijo

    ResponderEliminar
  3. Verdades ditas, Teresa, sinto que muitas vezes o esforço é tão grande para vivermos em tranquilidade, que mais parecemos um cardume tentando subir um rio que está descendo! Teríamos de inventar um novo mundo, esse já deu o que tinha de dar.
    Um beijo, belo poema.
    Uma feliz semana.

    ResponderEliminar
  4. Um poema que é uma reflexão, Teresa. Gostei do quase grito final: "Dá primazia ao mundo que reclamas.
    Ao direito e à amizade. Que teus passos te elevem
    e desbravem caminhos de humanidade."
    Um grande beijo, minha Amiga.

    ResponderEliminar
  5. Tantos falam, tantos proclamam, tantos opinam, mas não passam de palavras que ardem na cinza do fogo fátuo do momento. Assim, aqui, fica escrito o teu grito no teu belíssimo poema para que as tuas palavras fiquem gravadas na pedra.
    Beijinho de saudades, Teresa!

    ResponderEliminar
  6. Passei para ver as novidades.
    E gostei de reler o teu maravilhoso poema.
    Aproveito para te desejar um bom fim de semana, amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar

O Outono canta nas arribas