sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Instabilidade do verso




Deixa-me apenas uma nesga de luz
A febre das guitarras
Teu canto escaldante e o feitiço desta noite.

Deixa-me a tela em que me deito
E uma nota esquiva em meu peito.

E se eu tiver que viver
Na instabilidade de um verso
Estende-me lençóis de luar
E o vigor poético de Agosto.


Teresa Almeida Subtil

12 comentários:

  1. Uma nota esquiva por dentro do peito a celebrar a luz e o feitiço de uma noite de agosto… Belíssimo, Teresa!
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. pressente-se o canto escaldante e a nota esquiva (que não desafinada), como se fora um solo de guitarra no desalinho da noite de Agosto e na toada do poema.

    belíssimo, Poeta Teresa Almeida

    beijo, minha amiga

    ResponderEliminar
  3. Boa tarde Teresa!
    Linda imagem com essa lua, e o poema foi lindamente escrito. Gostei muito.
    Uma excelente semana, e um mês de setembro cheio de coisas boas.
    Um abraço e um punhado de sorrisos.
    Escrevinhados da Vida
    Ja temos atualização por lá.

    ResponderEliminar
  4. Querida Teresa

    É a isto que eu poderia chamar de entrega total à arte de versejar. Sinto-lhe o perfume e a intensidade das palavras comovem-me.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  5. Uma pequena, breve história, que vive por si mesma na nesga de luz, no canto escaldante, no feitiço da noite e na nota esquiva, mas que não deixa de desnudar a voz do poeta, sonhando seu sonho, atenta a si mesma. Admirável poema, Teresa!
    Um beijo, amiga!

    ResponderEliminar
  6. Agosto e as serenatas ao luar num largo qualquer em Coimbra.
    Gostei de te ler e ver junto dos blogueiros.
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Nossa!! amiga...que poema lindo, aplausos!
    Beijo, ótima semana.

    E se eu tiver que viver
    Na instabilidade de um verso
    Estende-me lençóis de luar
    E o vigor poético de Agosto.

    ResponderEliminar
  8. O luar de Agosto é ímpar...
    Gostei imenso do teu poema, excelente.
    Teresa, um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  9. Mais um belo equilíbrio na assimetria
    Bj

    ResponderEliminar
  10. Olá, Teresa, minha primeira vez aqui no teu blogue, cheguei por acaso, mas foi boa a descoberta. Gostei do poema e da imagem, voltarei mais vezes, um abraço daqui do Sul do Brasil.

    ResponderEliminar
  11. Uma poética e apaixonante serenata, Teresa!
    Adorei cada palavra! Beijinho!
    Ana

    ResponderEliminar

Voltarei!