segunda-feira, 24 de setembro de 2018

O comboio nunca partiu




16 comentários:

  1. E nessa estação que te tem cativa esculpiste a notícia do teu nome, como se cobrisses de branco todas as sombras…
    Lindíssimo, Teresa!
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Olá, Teresa

    Conseguirei interpretar este poema? Não sei. Mas, atrevo-me a dizer que ele condensa em si uma certa forma de estar na vida, em que a inspiração poética nos oferece espaços de puro deleite. E por aqui me deixo ficar em franca contemplação.

    ResponderEliminar
  3. Teresa, minha amiga

    pressente-se nessa "sonoridade que se nega" o tumulto das vagas na Foz do Douro.
    e o nostálgico "pouca terra... pouca terra" a ecoar no planalto...

    gostei muito. beijo

    ResponderEliminar
  4. Não sei se o poema foi inspirado na música do vídeo, que é uma das grandes músicas do século XX e que já não ouvia há séculos...). Mas, aparentemente, sim.
    Em qualquer caso é um excelente poema. Gostei imenso, parabéns.
    Teresa, um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  5. Li o seu poema
    sentado no meu apeadeiro
    Belo

    ResponderEliminar
  6. Adoro esta musica. O presente a diluir o passado.
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Olá, minha amiga Teresa, parabéns pelo belo e inspirado poema, no qual a poeta serve-se, para construí-lo, dessa excelente figura poética "do comboio que nunca partiu".
    Parabéns pela sua criação poética.
    Um bom domingo
    beijo
    Pedro

    ResponderEliminar
  8. https://poemasdaminhalma.blogspot.com/
    Olá Teresa!
    Belíssimo poema, magnifico titulo poético, e um musical de excelência.
    Gostei imensamente. Parabéns!
    Beijinho e bom início de semana.
    Luisa

    ResponderEliminar
  9. Olá!
    A mim também uma estação me tem cativa, mas tenho de estar atenta, não vá o meu comboio passar...
    Boa inspiração!

    ResponderEliminar
  10. Olá, lindo poema, li e reli, entretido a ler o mesmo, ui....lá se foi o comboio.
    Continuação de feliz semana.
    AG

    ResponderEliminar
  11. Olá, Teresa!

    Já visitei o seu blogue, mas não encontrei palavras à altura do seu talento e então, dei "meia volta" e saí. Hoje, com algum à-vontade, cá me encontro, de novo, mas estou sem saber bem o que dizer, outra vez.

    Creio que é transmontana ou aí vive, e como tal, é mto genuína e "mais vale quebrar, que torcer", não é assim o ditado popular?

    No seu olhar há poesia de ontem, hoje e amanhã, embora de forma erudita, indireta, mas quem entende os poetas?

    É natural que o comboio, o seu comboio nunca tenha partido, pke a Teresa mantém-se arreigada à terra, que a viu nascer. Assim, as coisas nefastas parecem diluir-se e as brisas envolvem as tormentas da vida.

    Gostei mto de a ver na foto. Tanta naturalidade, mostra!

    O vídeo é mto romântico e agradável e um homem e uma mulher caírem nos braços um do outro, é sempre uma viagem fascinante, a que nem o cão fica alheio.

    Um beijinho com especial estima.

    ResponderEliminar
  12. Gostei de reler o teu magnífico poema.
    Teresa, um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  13. A terra, o vento, as sonoridades, as escarpas do teu chão, fazem-te prisioneira desse pedaço de mundo que te está de tal forma colado que mesmo na ausência levas os encantos dos aromas contigo.
    Belissimo poema, querida amiga Teresa
    Beijinho grande

    ResponderEliminar
  14. E que conjugação perfeita sem condicionamentos temporais, este cativeiro por puro deleite, por puro prazer, por entrega. E o poema a desafiar o tempo. Bela partilha!
    Um beijo, Teresa!

    ResponderEliminar
  15. Há melodias... que serão mesmo, o nosso fiel retrato... como confirmam as suas inspiradas e vibrantes palavras... tão plenas... de agora!...
    Beijinho
    Ana

    ResponderEliminar

Voltarei!