quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Do Éden oriundo


Nem lagos, nem gelos
Nem ruínas, nem castelos
Nem pináculos de catedrais…

São ínfimas as gotas que encobrem o dia
E ébrios os sonhos que desabrocham
Suculentos frutos vermelhos

E Dezembro fecunda a palavra
No ventre do medronheiro
Do Éden oriundo.

Só pode ser sagrada, a palavra
A crescer em cada verso
Que ao fogo sobrevive.

Teresa Almeida Subtil





14 comentários:

  1. Teresa,

    A palavra a crescer do fogo da vida, neste ato
    sagrado do renascer a cada significado e no
    percurso da Poesia, sempre alcançará a beleza
    no exercício da transcendência...

    O teu percurso poético sempre transcende na
    beleza da arte expressiva (Poesia!) e como
    adoro voar aqui, minha querida amiga.
    As fotos belíssimas no suporte imagético do teu
    poema...

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ... e contigo voo alto.

      Vais sempre longe na tua apreciação.

      Grata pela amizade e pela cumplicidade poética que, pelo tempo, cresce.

      Votos de FESTAS FELIZES.

      Beijos, querida amiga Suzete.

      Eliminar
  2. São sempre sagradas as palavras dos versos!
    A segunda imagem faz lembrar uma pintura impressionista! E ambas condizem com o poema!
    Um bfds!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sinto o mesmo, querida Lua Azul.
      O meu medronheiro festeja o Natal e a amizade. Só pode ser uma pintura impressionista da mãe natureza.

      Desejo-te FESTAS FELIZES.

      Beijos.

      Eliminar
  3. E que além de dezembro fecundar as palavras, que ele nos traga alumbramentos. Fiquei curioso tentando decifrar que frutas vermelhas são aqueles, vê-se, de qualquer modo, que são bonitas. Beijo, Teresa.

    ResponderEliminar
  4. Para mim é um árvore frondosa e muito decorativa. Linda em qualquer estação. E os medronhos são redondos, pequenos, suculentos e de sabor agridoce. Indicados, também, para aguardentes e licores.
    Estas fotos, amigo Ulisses, são do medronheiro que dá vida ao meu quintal.

    Aproveito para dizer que gosto de te ver por aqui e para te desejar
    FESTAS FELIZES.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  5. Dezembro... um mês doce... e reconfortante... tão bem definido, no encanto das suas palavras, Teresa!...
    Como seria bom, que esta chama sagrada, que parece despontar em cada Dezembro... se mantivesse o ano inteiro... e não ficasse apenas limitada, ao calendário das aparências...
    Adorei o poema! Beijinhos! Desejando-lhe um óptimo fim de semana...
    Ana

    ResponderEliminar
  6. Que bonito, Teresa! Dezembro, o mais lindo mês deveria ficar como um exemplo para o resto dos meses, é nele que afloram nossos melhores sentimentos de irmandade, de solidariedade, amor, e talvez o perdão! Ainda levo minhas dúvidas quanto ao perdão. Adoro esse mês, mas ao mesmo sinto uma certa frustração, pois passado o Natal, volta todo o desencanto com o ser humano.
    Beijinho, um ótimo domingo.

    ResponderEliminar
  7. aguardente de vida e medronho" no percurso cálido de cada verso.
    como se o fogo ( e o fôlego) da palavra poética fosse centelha roubada ao Éden.

    pródigo teu medronheiro, Teresa!
    assim enfeitado de maduros frutos

    gostei muito. beijo

    ResponderEliminar
  8. "Só pode ser sagrada, a palavra
    A crescer em cada verso
    Que ao fogo sobrevive."
    Que maravilha, Teresa!
    Vangelis, sempre bom de ouvir…
    Uma boa semana, minha Amiga.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  9. Fundes a mãe natureza e toda a poesia que ele tem, com a poesia pura que nasce da tua natureza . E nascem frutos e palavras de fogo e de sonho em poemas belos com este !
    O que o medronheiro e tuas palavras conseguem pintar !
    Abraço terno , Teresa

    ResponderEliminar
  10. Na verdade nem todas as famílias são um presépio
    mesmo que medrem os medronheiros
    Bjs poeta amiga

    ResponderEliminar
  11. Só as palavras sagradas sobrevivem ao fogo...
    Um poema brilhante, de sonhos e medronhos.
    Teresa, um bom fim de semana e um Natal muito Feliz.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  12. Hermosa poesía, como me gusta leer y dibujar sus paisajes...
    Grato encontrar tu blog

    ResponderEliminar

Fui d'abalada