sábado, 23 de fevereiro de 2019

Dues lhénguas/Duas línguas






DUES LHÉNGUAS


Andube anhos a filo cula lhéngua trocida pula
oubrigar a salir de l sou camino i tener de
pensar antes de dezir las palabras ciertas:
ua lhéngua naciu-me comi-la an merendas buí-la an fuontes i rieiros
outra ye çpoijo dua guerra de muitas batailhas.

Agora tengo dues lhénguas cumigo
i yá nun passo sin dambas a dues.
Stou siempre a trocar de lhéngua mei a miedo
cumo se fura un caso de bigamie.

Ua sabe cousas que la outra nun conhece
ríen-se ua de la outra fazendo caçuada i a las bezes anrábian-se
afuora esso dan-se tan bien que sonho nas dues al mesmo tiempo.

Hai dies an que quiero falar ua i sale-me la outra.
Hai dies an que quedo cun ua deilhas tan amarfanhada que se nun la falar arrebento.
Hai dies an que se m’angarabátan ua cula outra
i apuis bótan-se a correr a ber quien chega purmeiro
i muita beç acában por salir ancatrapelhadas ua an la outra i a mi dá-me la risa.

Hai dies an que quedo todo debelgado culas palabras por dezir i ancarrapito-me neilhas cumo ua scalada
i deixo-las bolar cumo música
cul miedo que anferrúgen las cuordas que la sáben tocar.

Hai dies an que quiero traduzir ua pa la outra
mas las palabras scónden-se-me
i passo muito tiempo atrás deilhas.

Antre eilhas debíden l miu mundo
i quando pássan la frunteira sínten-se meio perdidas
i fártan-se de roubar palabras ua a la outra.

Ambas a dues pénsan
mas hai partes de l coraçon an que ua deilhas nun cunsigue antrar
i quando s’achega a la puorta pon l sangre a golsiar de las palabras.

Cada ua fui porsora de la outra:
l mirandés naciu-me purmeiro i you afize-me a drumir arrolhado puls sous sonidos
i ansinou l pertués a falar guiando-le la boç;
l pertués naciu-me a la punta de ls dedos
i ansinou l mirandés a screbir porque este nunca tubo scuola para adonde ir.

Tengo dues lhénguas cumigo
dues lhénguas que me fazírun
i yá nun passo nien sou you sien ambas a dues.


Duas línguas

Andei anos a fio com a língua torcida por a
obrigar a sair do seu caminho e ter de
pensar antes de dizer as palavras certas:
uma língua nasceu-me comi-a em merendas bebia em fontes e ribeiros
outra é despojo duma guerra de muitas batalhas.

Agora tenho duas línguas comigo
e já não passo sem as duas
Estou sempre a trocar de língua com algum receio
como se fosse um caso de bigamia.

Uma sabe coisas que a outra não conhece
riem-se uma da outra fazendo troça e por vezes zangam-se
fora isso dão-se tão bem que sonho em ambas ao mesmo tempo.


Há dias em que quero falar uma e sai-me a outra.
Há dias em que fico com uma delas tão amarrotada que se não a falar expludo.
Há dias em que se me entrelaçam uma na outra
e depois começam a correr a ver quem chega primeiro
e muitas  vezes acabam por sair enrodilhadas e eu rio-me.

Há dias em que fico completamente curvado com as palavras por dizer e trepo por elas como uma escada
e deixo-as voar como música
com medo que enferrujem as cordas que as sabem tocar

Há dias em que quero traduzir uma para a outra
mas as palavras escondem-se-me
e gasto muito tempo à procura delas

Entre elas dividem o meu mundo
e quando passam a fronteira sentem-se um pouco perdidas
e estão sempre a roubar palavras uma à outra.

Ambas pensam
mas há partes do coração em que uma delas não consegue entrar
e quando se chega à porta põe o sangue a bolsar das palavras.

Cada uma foi professora da outra
o mirandês nasceu-me primeiro e eu habituei-me a dormir embalado pelos seus sons
quentes como grossas cordas
e ensinou o português a falar guiando-lhe a voz;
o português nasceu-me na ponta dos dedos
e ensinou o mirandês a escrever porque este nunca teve escola para onde ir.

Tenho duas línguas comigo
duas línguas que me fizeram
e já não passo nem sou eu sem as duas

Amadeu Ferreira
In Cebadeiros, ed. Campo das Letras, 2000.




(Amadeu Ferreira é um autor de referência. É vasta a sua obra e sobejamente conhecido o seu amor e empenho na defesa e divulgação da língua mirandesa.)




16 comentários:

  1. Gostei de conhecer o texto. Não percebi tudo, mas deu para perceber como convivem as duas línguas: o mirandês e, presumo, o português. A mim também me acontece sonhar, não em mirandês, mas em francês, quando, volta não volta, leio mais livros franceses, ou vejo mais televisão francesa.
    Embora ache que dias nacionais ou internacionais disto ou daquilo muitas vezes só existem quando se apouca o que se comemora em tais dias, pergunto: não há um dia nacional da língua mirandesa?
    Bjo
    Bom domingo

    ResponderEliminar
  2. Grata Lua Azul. Fico feliz por teres entendido o belíssimo poema de Amadeu Ferreira.
    Deixo este vídeo sobre a tua pergunta. É a escola a maior garantia de continuidade. Temos, também, jornadas anuais de língua mirandesa e há muito caminho a desbravar. Estão a dar-se passos no sentido de ser integrada na carta europeia das línguas minoritárias.

    https://www.youtube.com/watch?v=ckoCrrF1kBo


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada. Gostei muito de ver os videos. É realmente importante não deixar morrer esta língua, por isso é bom ensiná-la nas escolas.

      Eliminar
  3. Parabéns ao poeta. Amar a língua mirandesa é amar o chão onde se nasceu…
    Uma boa semana, Teresa.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. Teresa,

    como eu invejo este dois versos:

    Tengo dues lhénguas cumigo
    dues lhénguas que me fazírun
    i yá nun passo nien sou you sien ambas a dues.

    ter duas línguas é algo parecido com ter duas mães
    (digo eu que do mirandês guardo apenas ténues reminiscências)
    não se passa, nem se é. sem ambas as duas!

    grato

    beijo, minha amiga

    ResponderEliminar
  5. Me ha encantado este poema , tiene encanto, naturalidad y cuenta mucho y, finalmente, lo que a mi me maravilla es lo fácil qu e me resulta entenderlo todo. Me parece a mi que es una construcción del lenguaje que se parece más al español, no quiero decir que esté influenciado sino que, por la razón que sea, se construyen las frases de un modo muy semejantes y con palabras muy parecidas. Lo he pasado muy bien leyendo este texto. Me parece una buena idea que le rindas el homenaje que se merece como el lenguaje y como la cultura que representa. He encontrado algunas palabras que son identicas al asturiano. Un abrazo.

    ResponderEliminar
  6. Olá, Teresa!
    Somente com uma publicação anterior, e agora com esta, foi que vim a conhecer a língua mirandesa, que, como tudizes, é a segunda língua de Portugal.
    Li com atenção o teu texto, Teresa, mas compreendi muito pouco.
    Uma ótima continuação da semana.
    Beijo.
    Pedro

    ResponderEliminar
  7. Vim até aqui guiado pela minha amiga Franziska.
    Tinha constância da existência deste idioma, mas nunca o tinha visto escrito.
    Gosto daquilo que escreve.
    Agradeço a divulgação.

    ResponderEliminar
  8. Franzisca, fiquei muito feliz pelo teu interesse e não me surpreende que entendas bem o poema porque, como refere o autor e investigador Amadeu Ferreira " o mirandês, ou língua mirandesa, é o nome de uma língua falada no Nordeste de Portugal, já desde antes da fundação da nacionalidade portuguesa. Quanto à estrutura é uma língua românica, que teve a sua principal origem a partir do latim. Historicamente pertence à família de línguas astur-leonesas, onde também se incluem o asturiano e o leonês.

    Até 1884 foi uma língua apenas oral. Desde então, tem sido também escrita, dispondo de uma Convenção Ortográfica desde 1999. Nomeadamente a partir do século XVI e apesar de ser uma língua falada em Portugal desde o começo da sua existência, o mirandês é uma língua menorizada quer em termos culturais e sociológicos quer em termos políticos...Em 1999, com a lei nº 7/99, de 29 de Janeiro, o mirandês foi oficialmente reconhecido como língua regional de Portugal."

    Franzisca, costumamos promover, todos os anos, um encontro de blogueiros com o intuito de defender, preservar e divulgar a língua e cultura mirandesa. Apraz-me dizer-te que no próximo ano será nas Astúrias - Espanha.

    Poderíamos encontrar-nos por lá. Que te parece?
    Adorei encontrar-te por aqui.
    Um abraço arrochado.

    ResponderEliminar
  9. Pedro Luzo, é sempre grata a tua presença no meu blogue.
    O mirandês é um património imaterial que faz parte da nossa identidade.
    Essa foi a língua materna de Amadeu Ferreira, uma língua, de sonoridade "amerosa", em que ele gostava de se dizer.

    Beijinhos, meu amigo.

    ResponderEliminar
  10. A riqueza, o amor e o respeito, pelas duas línguas... indissociáveis para Amadeu Ferreira... tocaram-me particularmente, as suas palavras... "o português nasceu-me na ponta dos dedos e ensinou o mirandês a escrever porque este nunca teve escola para onde ir..." Quanta riqueza cultural se vai perdendo, de geração para geração... quando preciosidades assim... simplesmente não são preservadas... noto isso também aqui onde moro... as gerações anteriores eram portadoras de saberes ancestrais... que não tem sido devidamente transmitidos e preservados, para as gerações seguintes... de uma riqueza imensa, em várias vertentes... desde receitas várias, a expressões populares... pequenos segredos utilitários para tantas situações do dia a dia... e tudo simplesmente... se vai esvaindo... e caindo no esquecimento... a favor do presente... tantas vezes, bem mais oco em consistência e valores...
    Gostei imenso deste post, Teresa!
    Beijinho! Continuação de uma óptima semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  11. Olá, Teresa

    Tentador ler o primeiro texto em lhéngua mirandesa e procurar perceber tudo, sem recorrer ao texto em português. E foi o que fiz - devagarinho, devagarinho consegui. A musicalidade da língua é preciosa e as palavras do autor fazem-nos sentir parte integrante dessa outra vivência. Obrigada por trazê-lo ao nosso conhecimento.

    Gostei muito das informações que disponibilizou mais acima, a propósito de um comentário. Pela sua explicação se vê que a Língua Mirandesa faz parte da nossa História. Ela deveria fazer parte do currículo escolar.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  12. É tão rico este post, culturalmente falando, Teresa!
    Lá fui lendo o mirandês e fui tirando umas palavras pelas outras com "olhinhos"-rs de vez em qdo para o texto em Português.
    Ter duas Línguas é, de facto, importante. Sentimo-nos mais em casa, afinal, somos detentores de duas "fortunas", não é?
    Parabéns a Amadeu Ferreira!

    Beijos e resto de boa semana.

    ResponderEliminar
  13. Querida Olinda,
    já lá vão 34 anos desde a primeira aula de língua mirandesa. A partir do ano letivo 2009/2010 o ensino do mirandês é feito de forma contínua, desde o pré-escolar até ao secundário.
    "O ensino da Língua e Culta Mirandesa é um projeto consolidado. É com orgulho que digo que temos tido, ao longo dos anos, mais de 60% dos alunos que frequentam o AEMD inscritos nesta disciplina opcional", explicou à Lusa o diretor do agrupamento de escolas, António Santos.

    O mirandês é, para mim, um desafio e uma paixão.

    Beijinhos.

    Beijinhos.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  14. Um caso sério de bigamia linguística.
    Não conhecia nada do poeta, mas gostei imenso. Obrigado pela partilha.
    Teresa, continuação de boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar

Voltarei!