sábado, 9 de fevereiro de 2019

Minhas estrelas




É cedo, mas o jogo no relvado começou há muito, debaixo de chuva e de vento. Move-os o treino. E os três, atrás da vidraça, partilhavam emoções e saberes. “Eu já treino para passar a bola aos meus amigos. Quando for grande quero ser jogador de futebol,” dizia o Fernando de 5 anos. E foi fácil começarem a jogar no parapeito da janela. No meio, o António, de vinte e um meses, era o que mais vibrava nas passagens. A bola amarela era o sol que lhes faltava. E os olhos as estrelas, verdadeiros transmissores de alegria.
É que a pureza da vida sente-se pulsar nestes momentos. E os carros passavam. E os pequenos iam percebendo tamanhos, cores, velocidade… Aquele jovem, na berma da estrada, fazia atletismo, sem se desviar da sua faixa, e mantinha o ritmo para conseguir chegar à meta. Diria que os pinheiros brilhantes e esguios sorriam connosco, ao ritmo do balanço natural da natureza. E sentíamos a fluída energia matinal. Nosso balanço gostoso.
“Avó, aquela árvore está tão triste e despida!” E surgia a  conversa  entre o adormecimento e o acordar para a renovação, entre afagos e beijinhos que caíam como gotas de chuva na vidraça. 
E a avó vai escrevendo os poemas que melhor lhe sabem.

Teresa Almeida Subtil

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas sentadas e interiores

14 comentários:


  1. Estrelas que cintilam no meio das emoções da bela Avó.
    São a certeza da continuação de um elo que não se parte
    porque alicerçado no amor.

    O quadro é belíssimo, querida Teresa, adivinho-lhe as
    cores garridas e o dinamismo da vida.

    A cantiga dos "Queijinhos frescos" vem mesmo a propósito.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  2. no regaço duma jovem avo' caiem os melhores poemas
    que algum dia ela poderia escrever: pétalas de afagos
    dos pequeninos corações dos seus netos.
    gostei muito, minha amiga Teresa.
    um beijo
    LuisM

    ResponderEliminar
  3. Estrelinhas de amor, que deixam cair também pétalas de ternura e poesia.
    Que afirmação tão inocente e linda do seu netinho (presumo eu).
    Bom Domingo
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderEliminar
  4. Família é tão bom, Teresa!...
    Família é eternização,
    Porque nossos filhos são
    Nossa extensão, com certeza.

    O amor é uma vela acesa
    Que dá iluminação
    E acende velas que estão
    Apagadas sobre a mesa!

    O amor é Deus e o tesão,
    Pai da proliferação
    Do ser de Deus que dá à luz.

    Teresa, família é ação!
    É luz de Deus! É união!
    É sonho que nos seduz!

    Grande abraço! Laerte.

    ResponderEliminar
  5. Esse imenso amor, esse carinho único, são de facto
    o melhor do mundo.
    A sua foto está belíssima, querida Amiga.
    Abraço afetuoso.
    ~~~~

    ResponderEliminar
  6. El amor de una abuela, volver a la ternura de otros tiempos, cuando nuestros hijos estaban creciendo al amor de nuestros brazos y al arrullo de nuestras palabras llenas de amor. Precioso relato y tan fácil de entender por el corazón de una mujer, son tiempos que vuelven siempre. Nunca se pierden. Un abrazo.

    ResponderEliminar
  7. um encantador quadro "naturalista", a pedir o talento do pintor Columbano e um dos seus seus retratos.

    perante esta impossibilidade, desejo que teus "futebolistas" cresçam em saúde e se desenvolvam em harmonia para encanto e felicidade de seus avós.

    muitos parabéns, Teresa

    beijo

    ResponderEliminar
  8. Netos. Brincadeiras de criança. O encantamento da inocência.
    Lembro bem a Ana Faria e os Queijinhos frescos. E tenho saudades…
    Uma boa semana, Teresa.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  9. Uma avó muito babada, que tem com certeza muitas histórias lindas e também cheias de lirismo para contar aos netos.
    Parabéns!
    Bjo

    ResponderEliminar
  10. Perdoar-me, jamais! Faz tempo que não apareço por aqui para deixar o ar da minha graça. Nos "vimos" o ano passado. Se desejasse agora um feliz Ano Novo, não seria de todo mal. Já o faço sem querer, querendo.
    Delicioso o seu texto, Teresa! Delicioso!
    Não há coisa garrida do que acompanhar o crescimento de filhos e netos. E quando se tem a poesia nas veias... Tanto melhor! O que já está impregnado de lirismo, transborda!
    Um beijo, minha querida amiga!

    ResponderEliminar
  11. Como é que nesse ambiente tão turbulento como ternurento consegues escrever poesia...?
    Um texto delicioso, bem acompanhado pelos Queijinhos Frescos (a Ana Faria era a cantora favorita dos meus filhos há uns 30 anos...).
    Teresa, continuação de boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  12. Olá Teresa!
    É maravilhoso o amor de mãe, mas ainda supera o amor de avó,
    que diga quem o sente. Gostei muito dessas lindas e maravilhosas estrelinhas, que fazem as maravilhas da vovó e alegria do lar. Gostei muitíssimo do texto é agradável de ler.
    Beijinho e bom fim de semana.
    Luisa

    ResponderEliminar
  13. OI TERESA!
    TÃO LINDO TEU TEXTO, FALA DO AMOR MAIOR, DE MÃES E AVÓS PARA COM OS PEQUENOS(OU GRANDES).
    ABRÇS
    https://zilanicelia.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  14. Momentos ternurentos... e de permanente descoberta para os mais novos... revelando as suas primeiras impressões do mundo!...
    Esta fase, é uma delícia!... Aproveite cada instante, Teresa! Eles crescem tão rápido!...
    Adorei o texto, que tanto me encantou! Bem como a foto... de uma das suas estrelinhas...
    Deixo um beijinho, e desejando a continuação de dias felizes!
    Tudo de bom!
    Ana

    ResponderEliminar

Voltarei!