quarta-feira, 22 de maio de 2019

A Casa


Desenhei a casa com gente dentro
E um lugar ao sol para cada um.
Ao centro a jarra de água fresca
E temporãs flores silvestres 
Colhidas à luz da manhã.

O pomar toca-se,  saboreia-se 
E funde-se no sorriso 
E na melodia que perpassa por ti.

A energia da parreira atravessa as janelas
E traz o fascínio dos brilhos da Faceira.
E num romântico reflexo de lua
Vejo o rio beijar a laranjeira.

A casa nasceu ali, naturalmente.
E não falta ninguém.
Há bolas e bonecas onde convém.
E os espaços crescem com a gente.

Teresa Almeida Subtil




9 comentários:

  1. Senti-me nessa casa tão especial, rodeada de harmonia, paz e encanto.
    Maravilhoso poema e uma música de que muito gosto.
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderEliminar
  2. Querida Teresa

    Esta Casa, construída com extremados cuidados, traz-me tudo o que me faz adivinhar felicidade, dedicação e amor. Há água fresca, flores silvestres, espaços que crescem com a gente, todos e cada um amado e em segurança, enquanto belas melodias irrompem nos corações, apaziguando-os.

    Minha querida amiga, congratulo-me com este território intimista, inundado de "cretcheu, maior que mar, maior que céu".

    Mais um belo quadro, pintado com palavras que nos tocam a Alma.

    E essa "menina está à janela", com o Vitorino, suscita-me, já, saudades dessa bela geração de poetas e cantores que nos tem embelezado os dias.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  3. "home, sweet home..."
    casa bem a teu jeito, Teresa! com janela aberta à paisagem
    e ao sonho ...

    uma bela "Serenata" do... Vitorino!

    gostei muito do poema, minha amiga

    beijo

    ResponderEliminar
  4. E esse é mais um daqueles teus poemas que transmitem aquela sensação boa de aconchego e conforto. Há sempre boa energia para sentir por aqui, Teresa, e eu espero que estejas bem, um beijo!

    ResponderEliminar
  5. Entrei nessa casa sem bater e senti-me bem. A frescura das palavras a claridade do sentir me encheram a alma. Bom fim de semana e beijos com carinho

    ResponderEliminar
  6. Voltei para dizer, que adorei a menina da janela, na voz do Vitorino. Beijo

    ResponderEliminar
  7. Não é bem uma casa, é um lar...
    O poema é excelente, parabéns pelo teu talento poético.
    Teresa, um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. E que bem que desenhas a casa com gente dentro e rodeada de um maravilhamento do olhar… Belíssimo poema, Teresa. Gostei de ouvir o Vitorino.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  9. Adorei esta casa com gente... e alma... dentro!...
    Pura maravilha, Teresa! Para ler e reler!... E sempre um prazer imenso, apreciar a melodiosa voz de Vitorino!...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar

Fui d'abalada