sexta-feira, 12 de julho de 2019

Poética Ave


Vislumbre de beleza lunar
Esfuma-se em negro pináculo.
E é de murmúrio, tremor
E de bruma teu abraço.

Verdes lábios a soletrar
Palavras de espuma e de espanto
E beijos de milhafre
Em alvo manto.

E se outrora foste quase inferno
O paraíso que, agora, vejo
É quase verdade.

Melodias que ao largo toquei
Como se fora
Poética ave.

Poético Páixaro (lhéngua mirandesa)

Relhistros  de belheza de lhuna
çfázen-se an negras puntas.
I ye de sonido a tembrar
I de nubrina tou abraço.

Berdes lábios a soletrar
Palabras de scuma i de spanto
I beisos de melhano
An albo manto.

I se datrás fuste quaije anfierno
L paraíso que, agora, beio
Ye quaije berdade.

Melodies que pul mar toquei
Cumo se fura
Poético páixaro.

Teresa Almeida Subtil

(Deixo, apenas, uns vislumbres colhidos pelo meu telemóvel)



Ilha do Pico - Açores

Quem sobrevoa a ilha do Pico, fica com vontade de desvendar segredos e mistérios que as erupções vulcânicas provocaram. Recortes de lava petrificada contrastam com azuis de céu e mar. E toda esta beleza invulgar, acrescida de uma vegetação luxuriante, prendem o olhar e a sensibilidade de quem se entusiasma e se deixa conquistar a cada passo, a cada paladar e a cada sorriso de quem pratica o espírito do amor.
Chegámos no auge das festas do Espírito Santo.



Currais na ilha do Pico.
São vinhas em chão de lava.

Foi dura a luta que, pela sobrevivência, o povo travou. Os muros protegem as parreiras dos ventos marítimos. É desde 2004 paisagem classificada, pela UNESCO, como património mundial.





O açor figura na bandeira, mas gostei de saber que o milhafre é ave mais emblemática dos Açores.

"O açor (Accipiter gentilis), do latim acceptore, significando que voa rapidamente, é uma ave de ... apelidadas hoje em dia pelos Açorianos de "milhafres" ou "queimados". Outra teoria aponta que o Açores provém do nome Azzurro em italiano ou Azureus em latim, que significa Azul em português, como referência ao céu ..."




Linda, acolhedora, airosa ...
É assim que nos recebe a ilha de S. Jorge - Açores.




Fajã dos Cubres - S. Jorge.
Sentimento-erupção e fogo diluído
Em fajãs de saudade.


Arte baleeira. Gravações sobre osso mandibular de cachalote, de Fátima Madruga.
Museu dos Baleeiros - ilha do Pico.


Na vila da Madalena gostam de partilhar rosquilhas e bolos da espécie com todos os que por ali andadrem. É uma simpatia dos imperadores (mordomos) do Espíriro Santo. São coroados, em grande cerimonial,todos os membros da família.
É um povo generoso e afável.



CALDEIRA na ilha do Faial.
Já tinha visitado a ilha do Faial, mas não tenho ideia de ter visto esta maravilha. São ilhas de bruma e nem sempre se mostram em todo o esplendor. Trouxe muros de hortênsias no olhar.



A despedida matinal, na ilha do Faial, foi brilhante e memorável. 






10 comentários:

  1. "Verdes lábios a soletrar
    Palavras de espuma e de espanto"...

    Tão bonito, Teresa!

    uma verdadeira síntese do teu admirável Poema
    e da palpitação da tua "reportagem" fotográfica!

    também eu tenho os Açores como uma nesga do Paraíso!

    gostei muito,

    beijo, minha amiga

    ResponderEliminar
  2. OI TERESA!
    TUDO MARAVILHOSOS, O TEXTO E AS FOTOS ENCANTAM.
    ABRÇS

    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  3. Querida Teresa

    Tão boa esta partilha da sua emotiva visita aos Açores. Os seus versos bem a espelham e ainda por cima vertidos em língua mirandesa o que lhe confere mais encanto: Relhistros de beleza de lhuna. Quase que oiço a pronúncia molhada do "l" açoriano.

    As fotos, uma delícia. Convidam-nos a uma ida sem demora a esse arquipélago da macaronésia, a essas "ilhas afortunadas".

    Desejo-lhe uma boa semana, minha amiga. Feliz com as suas visitas ao "Xaile" e pelos preciosos comentários.

    Beijinhos.

    Olinda

    ResponderEliminar
  4. Que maravilha de fotografias! Os Açores tem paisagens deslumbrantes. E o teu poema a esverdear as palavras que soletram o teu espanto… Tão belo!
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. Imagino a fantasia do teu olhar perante espetáculo tão deslumbrantemente azul e verde . Seria aqui onde por ventura onde as vertentes te queimariam os olhos na semelhança com os penhascos contados na tua poesia .
    Como não admirar a tua ave poética se ela sobrevoa e se sobrepõe ao teu imaginário ?
    Obrigada , Teresa, por nós trazeres tão belas imagens e poesia !
    Beijinho grande !

    ResponderEliminar
  6. Maravilhoso este tour pelos Açores, Teresa, através das suas belas imagens e poéticas palavras... que se complementam na perfeição, transmitindo-nos o fascínio e encanto deste pedaço de paraíso...
    Grata pela belíssima partilha! Beijinhos! Feliz semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  7. Teresa, gostei muito de conhecer o teu blog. Voltarei sempre que possível para ler postagens mais antigas tuas. Vamos agindo e interagindo por aqui, pois, passei a lhe seguir.
    Até a próxima!!!

    ResponderEliminar
  8. Os Açores são um encanto.
    E o teu poema canta esse encanto de uma forma notável.
    Parabéns, gostei imenso. Também das fotos.
    Teresa, continuação de boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  9. Eu comentei que fiquei emocionada quando vi a bela reportagem, conheço todos os cantinhos citados. Tenho 50% de genes da ilha do Faial, provenho dos pioneiros.
    Nunca lá vivi, pelo que, fico comovida quando vislumbro as ilhas.
    Se estiver curiosa, procure no 'motor de busca' do Vivenciar a Vida, Dutras.
    Veja a lista de 'Comandantes dos Açores' na Wikipedia.
    Abraço grande, querida Amiga.
    ~~~~

    ResponderEliminar
  10. Que postagem linda, Teresa, as palavras, as imagens, tudo! E tão bom aprender um pouco mais sobre esses lugares tão lindos através de ti! Um beijo.

    ResponderEliminar

Voltarei!