terça-feira, 10 de dezembro de 2019

"Podia ter sido"




   



Era o primeiro de Dezembro quando desembocámos no monumento natural Las Médulas – Leon –formações resultantes de extrações de ouro, há mais de 2000 anos e declarado património mundial pela UNESCO. É a maior exploração, a céu aberto, de todo o império romano. Podia ter sido outro o local para festejar o primeiro de Dezembro. Neste era mesmo improvável, mas tínhamos ido a Chaves, ao lançamento do livro do amigo José Maldonado e estávamos mais próximos daquela paisagem de uma beleza singular. Pareceram-me próximas e outros dizem que estão muito distantes. Depende do local de partida e do deslumbramento à chegada. Entrámos no primeiro restaurante para não perdermos tempo. Entre grafonolas e artigos agrícolas fomos bem servidos: “botillo del Bierzo” e “café de puchero”. A casa fora feita pedaço a pedaço num barracão que o casal havia comprado há anos. Tinham vindo de França onde o trabalho era ainda mais duro. Vendiam todos os objetos do espaço exceto a grafonola que nos interessava. Por ali havia aparelhos musicais muito antigos. Despojavam-se de tudo, mas da música não. E havia visita guiada aos tesouros. Apetecia-nos ficar mais um pouco, mas era urgente partir porque as tardes de Dezembro são muito curtas. Prometemos voltar.

Poderia ter chovido como estava programado, mas o tempo abriu alas e até permitiu que entrássemos em grutas apertadas, com chapéu de lata e foco na mão. Três graciosas espanholas fizeram-nos companhia. Poderiam ter estado noutro local, mas passaram por ali e deram-nos indicações preciosas. “Afinal as galerias já abriram” diziam elas e eu nem queria acreditar na hipótese de me debruçar naquela varanda pendurada num abismo surreal. A terra e a pedra aglomeradas apresentavam tons vermelhos e alaranjados. Os morros lembravam as chaminés de fada da Turquia pela exuberância e pelo mistério. Castanheiros e carvalhos implantavam-se com arte num ambiente febril. Envolviam-nos melodias de há dois mil anos e só as ouve quem lhes pressente a evasão. Deveria haver horas de descanso, música e poesia para alimentar o espírito. Só poderia ser assim. Há pessoas predestinadas para se guindarem às estrelas após árduos trabalhos e projetos de futuro. Garimpavam ouro com técnicas especiais.
Poderíamos não ter vindo ao lançamento do livro “Podia ter Sido”, mas ainda bem que viemos e ouvimos da voz do autor que caminhos outros poderia ter andado, mas foram aqueles os que trilhou.
Na verdade, talvez tivéssemos visto só metade da paisagem, mas valeu a pena. Regressámos ao hotel Termas que nos agradou sobremaneira. Boa relação preço-qualidade. Logo à entrada o perfume era de bem-estar, o que à partida é uma nota de boas-vindas. Limpo, cuidado e sem pretensões. Escolha acertada, pensava eu. Pessoal do tipo familiar e o pequeno-almoço também. “Prove a minha compota de abóbora! dizia-me a responsável. O rapaz da receção acompanhou-nos e resolveu de imediato as ligações tecnológicas ao mundo a que estamos habituados.
Há pessoas que vestem Zara e parecem uns príncipes e outras que vestem grandes marcas e parecem espantalhos, disse isto (mais ou menos) no último programa Prós e contras” o jornalista Luís Osório. Concordo
Poderia não ter acontecido, mas na manhã do dia seguinte acordaram-nos as saudades dos amigos e com eles caminhámos por uma cidade onde não faltam lojas com boas marcas e onde os buracos surgem a cada passo porque em cada espaço, que é preciso remodelar, surgem ruínas romanas e já sabemos que ninguém avança sobre achados arqueológicos. O cordeiro assado no forno era do outro mundo. Já na despedida, passámos pelo Hotel Vidago onde, em tempos áureos, eu e a minha amiga participámos num seminário. Agora os preços são para elites e os campos de golfe também.
Desta vez a separação doeu mais um pouco. E nós seguimos em direção ao Porto onde a magia da cidade invicta era sublinhada pelas iluminações de Natal.
De facto, podia ter sido outro o destino do fim de semana, mas registo-o porque me soube a amizade, a história, a beleza paisagística e a gastronomia transmontana.

Teresa Almeida Subtil
01-12-2019




15 comentários:

  1. Belo texto e bom passeio!
    Minha alma ainda passeia
    Contigo, teus versos e a veia
    Poética tua, onde enleio

    Meus sonho com teus, em meio
    Linguajares, de alma cheia
    Da luz tua, que semeia
    O verbo como um esteio

    De teu verso tão perfeito
    Em duas línguas, do jeito
    Como canta Portugal

    De Dom Diniz ou Camões.
    Teresa, tuas lições
    São a mim um recital!

    Grande abraço! Laerte.

    ResponderEliminar
  2. Querida Teresa

    "Podia ter sido" mas não foi, o que me deu a oportunidade de poder ler um dos seus mais lindos textos. E não há como não nos embrenharmos nesse passeio que tão bem descreve e segui-la passo a passo. Não só pelo prazer de viajar no passado mas também de estarmos, no presente, a acompanhá-la no seu intuito de assistir ao lançamento do livro do seu amigo, José Maldonado, e de estar com os amigos.

    Daqui levamos esses belos momentos, que, maravilhosamente, partilha connosco.

    Muito bela a sua escrita e a sua sensibilidade, minha amiga.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  3. Lindas imagens e belo texto caloroso!

    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Um lugar absolutamente incrível, que eu desconhecia!...
    Grata por ter partilhado o espírito, desse dia tão especial, Teresa, através das suas emotivas palavras!... E que as soberbas imagens, complementaram comprovando a extraordinária beleza e fascínio, desse local!...
    Beijinho! Desejando-lhe a continuação de uma feliz semana...
    Ana

    ResponderEliminar
  5. As imagens são muito bonitas, o lugar parece ser de uma beleza realmente singular. Pude me sentir um pouco lá através das tuas palavras, teu relato tão bem descrito, Teresa. Um beijo.

    ResponderEliminar
  6. Querida Amiga.
    Foi, nesmo, uma maneira maravilhosa de iniciar o seu Dezemhro.
    Gostei de a ler.
    Continuação de ótimo prelúdio de Natal...
    O meu abraço afetuoso.
    ~~~~~~

    ResponderEliminar
  7. um texto encantador, Teresa!
    num registo intimista e poético que de ti "fala"
    e do teu talento literário.

    jogas muito com essa suspensão semântica "podia ter sido",
    levando o texto e o leitor para "regiões" outras, que não apenas a paisagem, a culinária, o livro, a viagem...

    amei o texto- brilhante.
    beijo

    ResponderEliminar
  8. Não fazia ideia nenhuma dessa exploração de ouro dos romanos de há 2.000 anos.
    Parabéns pelo texto, gostei imenso.
    Teresa, um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  9. E pela sua brilhante descrição foi certamente um excelente e enriquecedor fim de semana.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  10. Que forma linda de começares o mês de Dezembro. E que bem que relataste tudo, Teresa.
    As fotografias são maravilhosas.
    Que tenhas um Natal cheio de conforto e um ano de 2020 com tudo o que desejas.
    Um beijo, minha Amiga.

    ResponderEliminar
  11. Teresa, passei para te desejar um bom fim de semana.
    E um Feliz Natal.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  12. Passei para verificar se havia novidades...
    Dias felizes.
    Beijinhos, querida Amiga.
    ´~~~~

    ResponderEliminar
  13. A Teresa palmilhando interioridades, sempre. Andas por bons trilhos, sem dúvida.

    Um Feliz Natal!

    ResponderEliminar
  14. Quando as descrições de uma narrativa nos envolvem com
    os pormenores onde deixas que se visualize o que te impressiona , não há como não ficar preso no enlace das tuas palavras .
    A magia do lugar faz o resto é que tão bem soubeste captar para no lo transmitir com elegância e mestria .
    Momento lindo , querida amiga Teresa
    E aproveito para te desejar um santo e Feliz Natal 🎄
    Abraço ❤️

    ResponderEliminar

RONDA LAS DEGAS/ RONDA DAS ADEGAS