sábado, 15 de fevereiro de 2020

Associaçon de Lhéngua i Cultura Mirandesa
Purparando l die de la Lhéngua Mai.
Atentos ...

Raiana

Porque és meu, 
Mergulho, em jeito de raiana, e abraço-te
em todas as latitudes. Descubro as línguas
que te adulam, e te emolduram
na filigrana mais requintada.
Balanço-me nas palavras que te envaidecem
e nas margens que reverdecem
de esgares emoções. Sinto-me amada.
Ultrapasso-me e deixo a modéstia e o consensual
para te ser desregrada, palavra carnal.
Não sei se és leito, ventre, foz, partida ou chegada.
Em ti sou estrada, caminho balançado. Balançado sempre.
O mais belo bailado, a melodia que me embriaga.
Sem ti não sou nada. Porque és meu
desde que me conheço e te beijo
que sonho dizer-te
mais do que alguém te confessou.
A minha grandeza só é tamanha
porque és meu -  Douro lindo!

10 comentários:

  1. E eu gosto do teu Douro lindo.
    Com também gosto do teu poema, é magnífico.
    Teresa, um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  2. Uma declaração de amor, com uma surpresa...
    Marota! Afinal é o Douro...

    Um dos seus poemas de afinidade telúrica, num texto expressivo, fluente, sem desconstruções ou outros efeitos especiais.
    Gostei muito, querida amiga.
    O meu abraço de cumplicidade poética.
    ~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  3. O douro, tão belo a servir de inspiração, Teresa. Que magnífico poema!
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. Que homenagem bela e sentida a esse Douro tão grandioso e lindo.
    Boa semana
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Douro, amem-no ou deixem-no! não é verdade, Teresa?
    e quem o conhece, jamais o esquece.

    e é tudo isso que dizes - o mais belo bailado e a embriaguez
    da melodia.

    como se conhecem tão bem - o Douro e a Poeta!
    quem melhor poderia cantar o rio, suas arribas e frondosas águas?

    adorei, parabéns pelo excelente poema

    beijo

    ResponderEliminar
  6. Excelente poema de amor ao Douro, que, por sinal, também passa à minha porta.
    Parabéns pelo poema e pelo blog bilingue.Afinal, o mirandês é a segunda língua oficial de Portugal.
    Saudações poéticas,
    Juvenal Nunes,

    Idílio

    ResponderEliminar
  7. Uma maravilhosa homenagem ao Douro... com alma e paixão!... Característica sempre tão presente, nos seus arrebatadores trabalhos poéticos, Teresa!
    Um verdadeiro bálsamo para os sentidos, este inspirador poema!
    Beijinhos! Votos de uma feliz e inspirada semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  8. Excelente a sua homenagem aos rios da nossa aldeia
    Bj

    ResponderEliminar
  9. Que maravilha, Teresa, esse teu envolvimento com a "tua" paisagem...!
    É tão bom ler-te.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  10. Já cantei uma vez. Faz tempo que não te vejo... Sou um pouco ingrato. Vou retomar o caminho da “casa”, porque, além de um café “bem passado”, há os poemas que não podem ser perdidos, tampouco podem ser lidos apressadamente.
    Que primor esta confissão de posse, imperdível “Porque és meu/desde que me conheço e te beijo/que sonho dizer-te / mais do que alguém te confessou.//
    beijos, minha amiga Teresa!

    ResponderEliminar

Voltarei!