sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

DIE DE LA LHÉNGUA MAI

Tengo un namoro sabido de to l mundo




I adonde bou cháman-me mirandesa
Por bias de las palabras amerosas que digo
Nos cafés, nos seranos i nos tablados de bersos.

Las palabras fáien paixon
An quien la scuita i l’ agarra l’alma
L’alma de la fala de l praino
Que nace nun riu que you sei
I chube las arribas i agarra l cheiro
De tomilhos, chougarços, urzes
I quantas mais!

Ten lhuç d’oulibeira i gusto de laranjeira
Bola i strebola nas alas de ls páixaros
I até las gabiotas gústan de la cantar.

L Douro i ls poetas fazírun-la mar
I por tanto l’amar sigo adelantre
I sei q’ eilha me quier tamien.
Cumo pítula anxertada cun bigor.

I nesta arble scribo las palabras
Miu baile, miu canto, miu sentir
Eidentidade quiero dezir.

Tengo un namoro sabido de to l mundo
 I quanto cun mais proua l’amostro
Mais fondo scabo l amor.


Teresa Almeida Subtil



Tenho um namoro sabido de todo o mundo
E onde vou chamam-me mirandesa
Pelas palavras “amerosas” que digo
Nos cafés, nos serões e nas tertúlias poéticas.

As palavras provocam paixão
A quem as ouve e lhes agarra a alma
A alma da fala do planalto
Que nasce num rio que eu sei
E escala as arribas e sente o perfume
De tomilhos, arçãs, urzes
E quantas mais!

Tem luz de oliveira e sabor de laranjeira
Voa nas asas dos pássaros
E até as gaivotas gostam de a cantar

O Douro e os poetas fizeram-na mar
E por tanto amar prossigo
E sei que ela me quer também
Como puia enxertada com vigor

E nesta árvore escrevo as palavras
Meu vale, meu canto, meu sentir
Identidade quero dizer

Tenho um namoro sabido de todo o mundo
E quanto com mais proa o mostro
Mais fundo escavo o amor


 Teresa Almeida Subtil


19 comentários:

  1. Fazes bem em insistir no mirandês, preservação dum pedaço de ti e de muitos outros, autêntica memória colectiva. E soa bem.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  2. e não te faltam razões para o tamanho da tua "proua"
    e para "scabares fondo l amor"

    arrotchado abraço, mirandesica linda

    ResponderEliminar
  3. Não conheço esses lugares mas fico sempre com agua na boca. Não entendo bem mas dá para ler o mirandês. Caminhar por essas serras deve ser um prazer. Também sou caminhante aqui pelo sul.
    Bom Carnaval.
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Em primeiro lugar, parabéns pelas fotos magníficas...
    Tu no teu ambiente telúrico, entre fragas, urzes, carquejas, tomilhos que perfumam os teus versos.
    Torga deambulará por essas cumeadas...

    O poema é muito interessante, porém, há coisas que me escapam totalmente. O que será 'pítula'?
    Fizeste muito bem em dar destaque ao mirandês, no qual também és capaz de expressar os teus sentimentos mais subtis... Sorrisos...
    Dias de encantamento e harmonia.
    Grande abraço, querida Teresa.
    ~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grata. querida Majo por leres e comentares um poema em mirandês. Fiquei contente com todos os que tentaram e alguns entenderam tudo. Obrigada.
      Pítulas são puias, pequenos galhos, de outra árvore, que se enxertam na árvore mãe. É um trabalho interessante.

      Beijinhos, querida amiga.

      Eliminar
  5. Palabras amerosas que agarram l'alma, querida Teresa! Tão belas que não me canso de lhes adivinhar o sentido e a emoção com que foram escritas. E a verdade é que as percebo, como se as tivesse dentro de mim desde sempre.

    "Tengo un namoro sabido de to l mundo
    I quanto cun mais proua l’amostro
    Mais fondo scabo l amor."

    É isso, minha amiga. Todos nós conhecemos esse "namoro" tão lindo. E que bem que fica aí nessa paisagem.

    E adorei ler, aqui, a Língua Mirandesa, assim, sem tradução.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  6. Já te disse que acho o mirandês uma língua muito musical.
    Como não traduziste, eu que nem sou boa com línguas, perco muito do poema. Mas também te chamo mirandesa…
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  7. Ai como amo a tua poesia tamem por bia de las palabras amerosas , das arribas por onde chubes, sentir os cheiros nas alas de ls páixaros !
    Por bias de las palabras amerosas tuas , me quedo absorta a olhar as tuas escarpas e o musgo que te enfeita .
    Em mirandês também , a tua poesia ganha um colorido único !
    Grande abraço minha querida amiga !

    ResponderEliminar
  8. Umas poucas palavras não decifrei, porém o que compreendi achei belo. E as fotos estão lindas!
    Um beijo, um bom fim de semana, querida.

    ResponderEliminar
  9. Que lindos lugares,a impressão e que vc está a sair de dentro do paraíso a transbordar amor.

    ResponderEliminar
  10. Para quem sabe mirandês
    a sua poesia voará ainda mais alto
    BJ

    ResponderEliminar
  11. Olá, Teresa!

    Como não entendo essa língua do teu poema, minha amiga poetisa, meus elogios vão para essas duas belas fotos. Parabéns!

    Um excelente domingo, Teresa.

    Beijo.
    Pedro

    ResponderEliminar
  12. Este poema provocou paixão em mim!
    Pelas palavras que lemos e sentimos com sonoridade, pelas palavras "amerosas", pela criatividade e pela cultura que transmite!

    Muito bom mesmo,
    Beijinhos e boa semana

    ResponderEliminar
  13. A identidade presa ao chão que é nosso e às palavras que celebram todos os lugares a que pertencemos… Lindíssimo, Teresa.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  14. Que lindo, sentido e profundo amor, ao lugar onde a sua alma pertence totalmente.
    Belíssimo poema.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  15. “Tenho um namoro sabido de todo o mundo
    E onde vou chamam-me mirandesa
    Pelas palavras “amerosas” que digo
    Nos cafés, nos serões e nas tertúlias poéticas.”

    Estou de volta à esta postagem, minha amiga Teresa, desta vez para dizer que gostei muito deste teu poema, que é aberto com esses belos versos (poema que eu não tinha visto quando fiz o primeiro comentário). Agora passo a começar a entender um pouco a língua que disse desconhecer, que agora sei, é uma das tuas paixões. Parabéns à talentosa Poetisa!

    Uma ótima semana, Teresa.

    Beijo.
    Pedro

    ResponderEliminar
  16. E eu sempre me enamoro dos belos olhares, com que nos brinda, Teresa, dessa região lindíssima... e da incontida paixão das suas palavras, pela alma dessa bela terra, das suas gentes... e pela língua mirandesa, que é sempre um prazer e um privilégio descobrir um pouco mais, por aqui!...
    Maravilhosa publicação! E adorei vê-la... com esse deslumbrante cenário, como fundo!
    Beijinhos! Continuação de uma boa semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  17. E como brilhas, mirandesa. E como brincas com as palavras em português ou mirandês. A essência de amor à terra, sentindo cheiros e sabores...
    Me esforcei para ler no original, rss.
    Um beijo grande, minha amiga!

    ResponderEliminar

Voltarei!