domingo, 7 de junho de 2020

Falua em calmaria azul




Nilo River - Assuan


A noite é de velas brancas dançando

Melodia que só as águas inventam

E a brisa é apenas beijo na face da noite

Que se aproxima como uma lenda

Ou um braço no ombro

Tão leve e aconchegante

Que a vida é este momento

Recortado nas agulhas do tempo

E a ternura é ambiência

Que nos toma

E desliza...


Teresa Almeida Subtil





~



19 comentários:

  1. Que poema bonito e imagem brilhante!Amei!:) 🤍
    -
    Preciso olhar nos olhos de alguém

    Beijos.
    Boa noite. :)

    ResponderEliminar
  2. Bom dia:- Imagem fascinante. Poema deslumbrante. A conjugação poética perfeita. Lindo demais.
    .
    Feliz início de semana
    Cumprimentos poéticos

    ResponderEliminar
  3. Recorto nas agulhas do tempo as palavras o poema que nos traz a noite como um lugar de cumplicidades. E deixo-me deslizar neste azul de ternura e sedução… Tão belo, Teresa!
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. poema-sonata e o feitiço da Lua
    e o sortilégio de águas melódicas
    e brisas cálidas...

    a sagrarem o momento
    nas "agulhas do tempo"

    poema de eleição,
    a escapulir-se, em seu voo de "velas brancas",
    das escarpas do Douro e da telúrica voz mirandesa.

    que bom! adorei, Teresa.
    parabéns pelo poema.

    beijo

    ResponderEliminar
  5. Um poema belíssimo.
    Deixemo-nos embalar por essa ternura.
    Um beijinho e continuação de boa semana, com saúde.
    Ailime

    ResponderEliminar
  6. Belissimo!
    O poema pinta a paisagem exacta e verdadeira,
    a perfeição tranquila, uma força livre,
    um abraço íntimo e fraterno,
    onde o azul é a luz do encontro e do repouso!
    Beijo.

    ResponderEliminar
  7. Também adoro a melodia que as águas inventam e a que emana deste poema, que é como um beijo na face de cada leitor.
    Goste deste "recorte nas agulhas do tempo".
    Um beijo, minha amiga Teresa!

    ResponderEliminar
  8. O teu poema reporta- me a uma suavidade de tal forma envolvente que me invadiu a saudade da ternura de brisas mornas nesse azul que não sei se desperta se me adormece .
    Maravilhoso , Teresa
    O nosso abraço 🌷

    ResponderEliminar
  9. Um poema que foca com imensa arte a ambiência de uma noite
    marinha encantadora, que envolve uma doce e firme ternura...

    Gostei muito, querida Teresa.
    Desejo-te dias mais livres e agradáveis.
    O meu terno abraço.
    ~~~~~~~

    ResponderEliminar
  10. Boa noite, Teresa!

    O poema não é escrito para uma só leitura, mas para duas ou mais leituras para descobrirmos o que diz o poeta por meio dessa nobre arte, que com palavras escassas, que nos revela o que lhe vai na alma, suas vivências, sua sensibilidade e humanidade.

    Gostei muito deste teu poema, sem deixar de mostrar a sensibilidade com que faz tua arte poética.

    Um bom sinal de semana, com saúde e paz, Teresa.

    Um beijo.

    Pedro

    ResponderEliminar
  11. Seus versos lembram o chuá, chuá das fontes caindo pelas encostas.
    Gostei de ler seus sensíveis pensares.
    Bom fim de semana querida Teresa.
    Bjss

    ResponderEliminar
  12. Um poema terno, muito suave.
    Gostei imenso, é magnífico.
    Querida amiga Teresa, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  13. A beleza e suavidade da noite retratada nas tuas sensíveis e suaves palavras. Gostei muito de ler-te.
    Beijos, querida Teresa!

    ResponderEliminar
  14. Para lá da calmaria azul, onde os sentidos se detêm, há toda uma enorme diversidade na profundidade das águas. Creio que, de vez em quando, convém espreitar. Talvez vejamos parte de nós.
    Andas numa fase muito criativa, Teresa. Parabéns!

    ResponderEliminar
  15. Olá, querida Teresa, começo pela bela imagem azul de calmaria, que foto linda, a sensação de estar lá no meio eu conheço, uma liberdade deliciosa. Lendo teu belo poema e deixando correr a Sonata ao Luar... postagem de luxo, amiga, adorei!
    Um bom fim de semana

    ResponderEliminar
  16. Poema de grande serenidade em que a paz parece reinar.
    Abraço poético.
    Juvenal Nunes

    ResponderEliminar
  17. A ambiência composta pelas suas palavras, pelo som da noite, o braço no ombro, as águas tranquilas. Tudo a deslizar nesse momento sereno e delicioso, com a calmaria a convidar-nos à calma e introspecção.

    O seu Poema, querida amiga Teresa, vem no momento certo, numa melodia doce para acalmar os nossos corações nestes tempos de grande sufoco.

    Adorei ouvir aqui a sonata ao luar de Beethoven.
    Muito obrigada.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  18. Um belo serenar poético, nesta incrível inspiração, Teresa, que adorei apreciar por aqui, e que nos transmite uma imensa leveza e paz!... Tão necessárias, nestes tempos que correm...
    Adorei!!! Beijinhos! Boa semana!
    Ana

    ResponderEliminar

Tresmalhada Ternura