terça-feira, 22 de setembro de 2020

Valados de vida


Vou sorvendo verso a verso 

Valados de vida 

Êxtase de bagos maduros

 Escarpas e reflexos 

E a corrente 

E o sentir a deslizar 

E o prazer de ler 

A arte a duras penas 

E as cantigas 

Em que me desarmas


Teresa Almeida Subtil




15 comentários:

  1. Sorvo contigo verso a verso o êxtase das escarpas, das uvas maduras, da corrente do rio, do prazer de ler... Que mais acrescentar?
    Cuida-te bem.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Amei! Obrigada pela partilha!!
    -
    O medo que espreita ...
    -
    Beijos, e um excelente dia! :)

    ResponderEliminar
  3. palavras muito belas, que nos levam na corrente,
    saboreando, bago a bago, os maduros frutos da mais genuína poesia!

    ... e que, girândola festiva, culminam nos últimos versos em puro acto de sedução - as cantigas perante as quais a poeta se sente "desarmada"...

    poema muito belo, Teresa Almeida

    beijo

    ResponderEliminar
  4. Olá, bom dia. Eu estou fazendo uma campanha para arrecadar fundos para voltar para minha terra. Porque estou com problema de saúde e gostaria de ficar perto da minha família. Desde já agradeço! muito obrigada... E se você puder colaborar clique no link abaixo:
    https://www.kickante.com.br/campanhas/lupus-fibromialgia-nao-consigo-trabalhar

    ResponderEliminar
  5. Muito belo Teresa!

    De verso em verso
    nas escarpas recalcadas
    dos vinhedos
    se matura o mosto...e todos os segredos!

    Um abraço!

    ResponderEliminar
  6. Cara Teresa,
    Enquanto sorves, vais dilatando a tua maneira de ver, de sentir, de entender, redimensionando, e de que maneira, a tua forma de abraçar o mundo.
    Sempre bem!

    Grande abraço :)

    ResponderEliminar
  7. Absolutamente rendida, perante esse cenário maravilhoso que a imagem nos dá a conhecer... e as suas sempre apaixonantes e vibrantes palavras, que não o poderiam descrever melhor!...
    Beijinhos, Teresa! Continuação de uma excelente e inspirada semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  8. Boa tarde Teresa,
    Um poema muito belo que me deixou sem palavras perante a pureza e beleza da sua escrita poética.
    Adorei!
    Um beijinho e um bom fim de semana.
    Ailime

    ResponderEliminar
  9. E será caso para dizer-te que "não vás em cantigas"...?
    Brincadeiras à parte, digo apenas que este poema é excelente. Gostei imenso, parabéns pelo talento.
    Bom fim de semana, querida amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  10. Querida Teresa

    Este é daqueles poemas em que nos quedamos, aspirando-lhe o perfume e sentindo-lhe o gosto. Não há outra maneira de o ler, querida Teresa, quando traz até nós todo esse intenso sabor telúrico, aliada aos versos finais que nos coloca em valados plenos de vida.

    Beijinhos
    Olinda

    ResponderEliminar
  11. E perante a beleza da paisagem, a poesia se fez arte, nascendo da alma da poetisa e encantando, quem tem o prazer de por aqui passar.
    Bom fim de semana
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Tuas palavras dão ainda mais beleza para a imagem que parece nos chamar para dentro dela, gostei de ler teu poema, Teresa, um beijo!

    ResponderEliminar
  13. Havia algo regional que me escapava... Pesquisando cheguei ao significado da palavra valados que não conhecia...

    Da mais bela e nobre poesia bucólica, louvando a essência duriense nesta época de vindimas.
    Depois de muito trabalho, escorre o néctar...

    Querida Teresa, parabéns pelo poema.
    Abraços, amiga.
    ~~~~~

    ResponderEliminar
  14. Suas palavras nos fazem sentir o que sente. Isso é de grande beleza. Bjs.

    ResponderEliminar

Voltarei!