quinta-feira, 3 de setembro de 2020

Lhaços d' eidentidade

La música sal de riba dun castielho sbarulhado que chora i canta. Ye algo que se sinte quando un s’achega a Miranda de l Douro. Son piedras que guárdan segredos i traiçones al tiempo de la guerra de ls siete anhos. Cunflito que mergulhou Miranda de l Douro nun marasmo q’habie de durar até la custruçon de las barraiges - Picuote, Miranda i Bempuosta. Hai que scuitar la música desta tierra, senti-la cumo quien scuita la boç de las peinhas, de l riu, de ls páixaros i de l aire que amerosa las arribas. “Essa fraga de que falo naciu antre las outras de la Tierra de Miranda … Un die falou, na sue fala dura i “caçurra”. Bós l’oubistes, i, cumo bós desistes, bos ancantestes, porque nunca habiedes oubido falar fragas.”dixo António Maria Mourinho, un búltio de la cultura mirandesa. Ye cierto que la música ye un modo de comunicar sien trancones, cumo se fuora l’alma de l ouniberso. Ye un filo d´auga que nace i cuorre, a la beç debagarico, a la beç an bertige de cachon. Ye ua fuorte i deseiada probocaçon até ancuntrar salida. Bonda sentir, i un deixar-se lhebar i apuis l cuorpo ye solo música. Ye suidade, amor, alegrie i tristeza tamien. Ye eimoçon, ye poeisie sien palabras, mas adonde todas ancóntran agarimo. Teresa chube quaije siempre las scaleiras de l castielho, cumo se cuntinasse a ir al sou sítio de trabalho. Un ganha-le carino a las piedras. De tanto las saber, até cuida que le perténcen i, an buona berdade, eilhas son de quien las ama. Fui ende que Teresa se dou de cuonta q’afinal l sonido benie de La Casa de La Música Mirandesa, mesmo al lhado de l castielho, un eidefício tipo Adães Bermudes que siempre serbiu las cousas de l’Eiducaçon: fui scuola purmaira i apuis Delegaçon Scolar. Scuitaba-se ua moda tan bien tocada i cantada que ls pies de Teresa salírun de las scaleiras cuidando q’era ua águila an riba de l riu, beilando an total lhiberdade. La Casa ye, agora, un centro cultural que ten cumo oujetibo zambuolber la cultura musical tradicional de la Tierra de Miranda. Ls strumientos musicales dan prazer a quien ls toca i a quien na melodie s’ambuolbe. Hai pessonas mui criatibas cun halbelidade de nacéncia cumo tiu Ángelo Arribas, afamado gaiteiro mirandés, que fizo la sue purmeira gaita de fuolhe cun piel de rato, quando andaba culas canhonas pul monte; tiu Lérias fizo ua guitarra cun caixas de lhata i Paulo Meirinhos de l grupo "Galandum Galundaina" ressuscitou-la i fai, tamien, bários strumientos cun materiales cimpres. Merece la pena coincer la beleza, la criatebidade, la bariadade i l’outenticidade de l’artesanato mirandés. I Teresa bai lhembrando que antrou nun baile de ruodra ambaixo dun carrasco, mal chegou a Miranda, sien saber l que iba a bailar, mas staba aquestumada zde l tiempo de l CIC de Lhamego adonde todos ls anhos fazien un spetáclo ne l die 8 de dezembre, ne l Teatro Ribeiro da Conceição. La sala quedaba chena para assistíren a quelóquios, cantigas, bailes, etc. Lhembraba-se de la balsa, de las qzardas , de l Zorba i de ls bailes tradicionales de Pertual. L spetáculo era cunsiderado de muita culidade porque las freiras s’apurában ne ls ansaios. Apuis desse baile ambaixo dun carrasco, na barraige de Picuote, l grupo fui cumbidado para animar las fiestas de la fin d’anho de todos ls cunceilhos de l çtrito de Bergáncia. Purmeiro éran solo ls porsores de l cunceilho de Miranda, mas apuis ajuntórun-se ls porsores mirandeses que dában classe por ende i de qualquiera grau d’ansino. Lúcia i José Teixeira, éran l fincon, un par que zde ninos daprendírun cun António Maria Mourinho, l purmeiro a zgalhar pul strangeiro la riqueza de la cultura mirandesa. Fundou, an 1945, l Grupo Mirandês de Duas Igrejas– Pauliteiros, danças mistas, coros i strumientos -. grupo que fui çtinguido pula Fundaçon F.V.S. d’Hamburgo cun l galardon “Europeu de Arte Popupar” . Eilhes i ls que se le seguírun tornórun-se ambaixadores culturales de Pertual pul mundo. Era nesse tiempo Júlio Meirinhos l persidente de la Câmara i fui el que, cumo deputado a la Assemblé de la Repúbica, cunseguiu aprobar la lhéngua mirandesa cumo lhéngua oufecial de Pertual, pula Lei 7/99 de 29 de Janeiro. Nas scuolas ls alunos daprendien ls bailes de la sue tierra. Cun las lhetras de las cantigas benie la lhéngua que se falaba mais nas aldés do que na cidade de Miranda, I ls alunos sabien mais mirandés que ls porsores que benien de fuora. Las lhetras son cimpricas i adbertidas, cumo a puxar l cuorpo al mobimiento, modas de l campo, de l lar i de l amor cumo yá deixou screbido Leite de Vasconcelos. I, cun eilhas, las lhonas i rimances la lhéngua fui fazendo camino. Fui ua corona de glória pa l grupo de la Associaçon de Porsores de l Praino Mirandés (fundada an 1984) ser l purmeiro a lhebar las danças mistas a la Índia adonde ancuntrórun traços de l nuosso paíç: la toponímia, nomes de pessonas i outros. Ne l çfile la capa d’honras i la bandeira nacional íban siempre an purmeiro lhugar. I a la fin l grupo de tocadores cun la gaita de fuolhe, ls férricos, l tamboril, la caixa, las castanhuolas, la fraita pastoril, l regaleijo i las charracas. An todas las atuaçones nun faltou l Filadouro tan calatelístico de la bida rural de la nuosa tierra. Era tamien l sfergante an que s'amostraba l traije i se falaba un cachico de mirandés. Ls pertueses q’alhá bibien recebírun-los cun muito carino i l’anteraçon cultural cul pobo andiano fui un grande anriquecimiento. Fazírun alhá un magosto i fui ua alegrie mui grande pa l cónsul, l outor de l cumbite, i pa la comunidade pertuesa por podéren rebibir ls questumes de la sue tierra. Miranda ye, sien dúbeda ua tierra musical i an qualquiera praça de l cunceilho s’ajunta ua quadrilha d’homes i ties. De ls ninos als mais bielhos, todos s’astrében i s’adbírten bailando . Hai siempre un gaiteiro de pruntidon ou un que sabe de regaleijo para acumpanhar l repassiado, la dança de ruodra de cunquista, d’antusiasmo. Ls pares ban antrando i salindo cunsante la gana de cada un. L nordeste ten danças paralelas i de ruodra: son lhaços culturales benidos de la lhunjura de ls tiempos. Ls pauliteiros, faien parte deste grandioso patrimonho i na sue coreografie retrátan la bida de l campo, cun bigor i fuorte spresson . Dízen ls anbestigadores que ls pauliteiros poderan tener raízes nas danças indo-ouropeias de spadas i, agora, quaije son l calatriç de la tierra de Miranda. De la Casa de La Música Mirandesa scapaba-se l sonido dua dança galana, cun balor antropológico andescutible. Era “L Pingacho”, cuja coreografie poderá tener ourige nun culto fálico. L Pingacho ye de l tipo paralelo de ls bailados mirandeses ou de queluna, cumo l Galandum, La Bicha, L Redondo, Las Lhigas Berdes, L Maganon, La Saia de la Carolina. Outros de ruodra (Geriboilas, Fandango, Repasseados) outros a par (Mira-me Miguel). I musical ye, tambien, la fala de l praino i nun se puode perder l sou balor eimaterial que passa pul rimance, las modas d’arrolhar, de las mondas i filadouros. Algues parécen cantos gregorianos por bias de la religion. De buona mimória ye tamien l Abade de Baçal que dou lhargos passos na arqueologie na eitnografie i na stória de l çtrito. Son, tamien, lhargos ls passos quando nace ua Associaçon de Lhéngua i Cultura Mirandesa, quando florécen classes de mirandés an Miranda i noutros puontos de l paíç, quando se scríben lhibros, se publica an jornales, rebistas i na anterneta, quando se fai un festibal bilhingue ou quando se cunquista mais un falante. I speramos que la lhéngua que ye de todos tenga mais porsores, manuales i que faga parte de las lhénguas minoritaias de l Ouropa. L grupo de Porsores de l Praino dedicou-se a la defénsia i dibulgaçon de ls balores eitnográficos desta tierra i cada grupo ye siempre un lhaço cultural. Hai aldés que téntan recustruir l modo de bida datrás i faien de l pobo un museu que dá nuoba bida a tierras quaije zertas. I un terreiro an qualquiera aldé tresforma-se an bida i lhamareda dun pobo que que na música i na dança bota fuora l’alegrie que siempre tube andrento. L mirandés ye la casa de nuossos pais, dezie un home na praça. Tenie rezon: son páixaros que nun quieren perder l nial, nien la risa, nien las raízes; nun quieren perder la sue eidentidade.

Teresa Almeida Subtil

                                                      

  



   



 

20 comentários:

  1. A música (e a dança) podem ser a marca genética de um povo e de uma região. Quem não conhece os Pauliteiros de Miranda?
    Percebi quase todo o texto. E gostei da abordagem.
    Bom fim de semana, querida amiga Teresa.
    E um feliz aniversário.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  2. Fico mesmo feliz por teres entendido esta "lhéngua amerosa". Grata, meu amigo Jaime.
    Acrescento, a título de curiosidade, que na dança do repasseado, a de saia vermelha sou eu.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Revi o vídeo para te ver (não me tinha apercebido na primeira vez). E, para além de amerosa, mexes-te muito bem.
      Não sendo um linguista, o mirandês parece-me uma mistura do português popular antigo com o castelhano. E, por isso, vai-se percebendo quase todas as palavras.
      Beijo.

      Eliminar
  3. uma edificante lição, Teresa
    sobre a Lingua e Cultura Mirandesas

    na decifração do tão harmonioso
    e esclarecedor testo, escrito em mirandês, ressalta, sílaba a sílaba, não apenas teu carinho pelo estudo e divulgação da Língua Mirandesa, mas também o entusiasmo apaixonado pelas "pedras vivas" que ecoam na alma de um povo do Planalto mirandês
    e que, ao longo da Historia pátria, deu bem mais que recebeu das autoridades do País.

    assim o teu trabalho em prol da língua e cultura mirandesas seja reconhecido, por quem deve e tem obrigação de ser atento!

    o texto, alem de esclarecedor, é de uma elegância formal
    exemplar.

    gostei muito, Teresa.

    beijo




    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "esclarecedor texto", deve ler-se.
      peço desculpa...

      Eliminar
    2. Muito grata, amigo Manuel, por expressares a tua opinião sobre um tema que é, para mim. uma conquista permanente. Sem raízes perdemos o equilíbrio. E, como homem do planalto mirandês, defendes uma região que deu mais do que recebeu. É bem verdade. Vamos ver se a luta que está em curso consegue resultados significativos.

      Abraço arrochado.

      Eliminar
  4. Olá Teresa!
    Acolheste com ternura Miranda no teu peito e deixaste que o Douro, rebelde e poderoso, invadisse as tuas veias numa impetuosa e imparável torrente! Depois, moveste os passos pelo som inconfundível dos gaiteiros, com a graciosidade de um voo de águia alçado do alto das falésias. Depois...tudo o que acontece em ti é poesia! São estrofes genuínas que brotam vibrantes da tua alma mirandesa, que nos deixam subjugados pela virginal e doce linguagem que nos afaga como se fossem plumas!
    Bravo Teresa! Deixas-me absorto ouvindo e vendo este maravilhoso vídeo.

    Um grande abraço!
    A.S.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho mais de Miranda do que de outro lado qualquer. Foi a terra que escolhemos para viver e há laços que me cativam e me prendem. As minhas filhas já nasceram em Miranda. Muito grata por entrares tão bem no meu contexto.
      O teu comentário, caro amigo Albino, é também um afago e um estímulo.

      Um grande abraço.

      Eliminar
  5. O teu interesse tão carinhoso pela língua mirandesa é admirável. Li alto para melhor perceber o texto e confesso a minha admiração por esse lugar privilegiado pela Natureza.
    Muita saúde, Amiga.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Graça

      Confesso que teres lido é muito gratificante. A língua mirandesa merece o carinho e o interesse de uma poeta como tu.

      Beijos. Saúde.

      Eliminar
  6. Adorei mais uma vez, esta força e autenticidade, que a língua e os costumes mirandeses nos transmitem... para mais, através das suas palavras, Teresa... que tão bem sabem traduzir a essência e paixão, de toda esta região...
    Gostei imenso do vídeo! E adorei vê-la! Já me apercebi, que participou no mesmo!
    Grata por esta partilha tão especial e significativa!
    Um beijinho! Votos de um bom final de domingo, e uma excelente semana!
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito grata, querida Ana, pela valorização da cultura mirandesa e por poder contar com o seu "feedback" ao meu sentir. Na verdade a dança é uma expressão que entusiasma.
      Tendo andado por fora e venho aqui aos soluços.

      Beijos e excelente fim de semana.

      Eliminar
  7. Bom dia, querida Teresa

    Sabe que já estive aqui pelo menos três vezes? tudo para não deixar escapar pitada desta bela prosa.

    Desafio necessário e urgente que aqui nos coloca e em boa hora, porquanto, precisamos todos de participar na compreensão e divulgação da Lhéngua Mirandesa.

    E o seu texto é um doce caminhar nesses "Lhaços d'eidentidade", percurso feito de amor, dedicação e muita persistência. E devo dizer-lhe que comungo do desejo aqui expresso:

    "I speramos que la lhéngua que ye de todos tenga mais porsores, manuales i que faga parte de las lhénguas minoritaias de l Ouropa."

    Vê-la dançar "L Repassiado", também momento alto, aqui. Os meus pés já queriam voar para aí e tomar parte nesse apaixonante ritmo.

    Adorei, minha querida amiga Teresa.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Olinda

      Também eu me sinto muito reconhecida pela atenção e pelo carinho. É tocante a forma como incentiva quem, como eu, se atreve a escrever. Faz parte de si esse incremento cultural a que, felizmente, tenho acesso. E à língua mirandesa, como língua oficial deve ser dada a maior visibilidade. É de origem astur-leonesa e já o nosso primeiro rei a falava.

      Forte abraço, minha amiga. Saúde!

      Eliminar
  8. Passei para te desejar a continuação de boa semana, querida amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  9. Algumas palavras não entendo mas associando, lá chego com alguma dificuldade. É um texto estimulante, incentiva à leitura.
    Júlio Meirinhos, Teresa e tantos outros estão de parabéns pela língua Mirandesa. Gostei da dança.
    Bjs.
    Saúde.

    ResponderEliminar
  10. Manuel Luís, bem hajas.
    Cada leitor é uma conquista e uma alegria. Só assim a língua mirandesa se pode afirmar e evoluir.

    Beijos. Saúde!

    ResponderEliminar
  11. Interessante que posso entender algumas frases do texto, mesmo não sabendo a língua!

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  12. Alegro-me por teres passado os olhos pela língua mirandesa. A musicalidade perpassa-a. Aos poucos cativa-nos.

    Bem hajas, caro amigo Ulisses.
    Um beijo.

    ResponderEliminar

Voltarei!