sábado, 13 de fevereiro de 2021

A garra e a ternura

  

É o empenho e o valor da vida

Que te levanta o ânimo

E te motiva.

É arte e missão da tua escolha.

 

Querias vencer, foste à frente

Deste luta

Foste chama e coragem

E quase cortavas a meta.

 

Mas o inimigo atraiçoa, sem hora de chegada

E tu arregaças as mangas

Vaga-lume do mistério

E entre tensão e desvelo

Andas que desandas.

 

Entristeces

Entristeço-me

Temos fome desbragada de beijos e abraços

E ainda que dispersos, suspensos

Nos braços da loucura e da guerra

Pressinto-te a garra

E a ternura.


Teresa Almeida Subtil

 

17 comentários:

  1. Um poema, de tão intimista e sensível, fico sem palavras,
    Amiga Teresa. Leio-o no mais absoluto silêncio e esperança.
    Que a felicidade esteja no meio desses milhões de flores
    Saio de mansinho, deixando um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Poema excelente. Gostei bastante! :)
    -
    São as nossas raízes, a linha da minha paixão
    -
    Beijo. Bom Domingo. Feliz dia de Sº Valentim.

    ResponderEliminar
  3. Garra e ternura aparentemente não combinam mas no poema resultou na perfeição! Bj

    ResponderEliminar
  4. O ímpeto permanece , instintivo , numa ousadia permanente tentando esquecer o inimigo que mora ao nosso lado . E não queremos baixar os braços na esperança de colhermos flores na primavera . Mas tudo se vai esfumando e os abraços continuam a nossa espera .
    Que belo e tão actual , minha querida amiga !
    O nosso abraço 🫂

    ResponderEliminar
  5. Pressentir a ternura e a força do abraço... Que maravilha, Teresa!
    Que tenhas uma boa semana.
    Cuida-te.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  6. Gostei muito. Senti-me por dentro destas palavras, como se as tivesse num canto do coração, prontas a serem-me voz e eco.
    Que a garra e a ternura andem de mãos dadas, e que os contratempos as não apaguem nunca.

    Boa semana!
    beijinhos.

    ResponderEliminar
  7. Li e voltei a ler enquanto pensava que esta nossa blogosfera está repleta de talento.

    Um poema com um sentido que pode ser atual, sentido, pleno de ternura e de extrema beleza.

    Um abraço e boa semana

    ResponderEliminar
  8. "Des millions de roses", bela música, resgata e traz até nós esse misto de garra e ternura, de que nos fala, querida Teresa. A vida que aqui se evidencia nas suas palavras e que apesar da falta do toque, dos beijos e abraços, está bem presente e sentimo-la em nós.

    Obrigada pela sua presença na minha "Quinzena do Amor"

    Beijinhos
    Olinda

    ResponderEliminar
  9. Uma causa, uma vontade, uma forma de ser. Inútil, para muitos, mas essencial para alguns. E é dessas vontades, talhadas no mais puro granito, que as vozes se vão perpetuando, apesar da aparente cedência. Por mais que o vento sopre, as gaitas de foles nunca se irão calar.

    Um beijinho, Teresa :)

    ResponderEliminar
  10. O ímpeto permanece , instintivo , numa ousadia permanente tentando esquecer o inimigo que mora ao nosso lado . E não queremos baixar os braços na esperança de colhermos flores na primavera . Mas tudo se vai esfumando e os abraços continuam a nossa espera .
    Que belo e tão actual , minha querida amiga !
    O nosso abraço 🫂

    ResponderEliminar
  11. Que lindo, querida Teresa, estamos todos muito carentes dos abraços, dos afetos, dos beijos para manifestar nosso carinho e nosso apreço. Hoje, mascarados, fazemos um aceno... são os absurdos que nunca imaginamos. Que venham tempos normais, que não demore muito. E isso só conseguiremos nos cuidando e cuidando de todos.
    Beijinho, amiga, um bom fim de semana, com saúde e paz!

    'É o empenho e o valor da vida
    Que te levanta o ânimo
    E te motiva.'

    ResponderEliminar
  12. A garra e a ternura podem (e devem) ser compatíveis, como bem o demonstra este teu excelente poema.
    Gostei imenso, como sempre.
    Bom fim de semana, querida amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  13. Olá, amiga Teresa,
    gostei muito deste belo poema, um desabafo poético ante tanto sofrimento e dor. Um tempo que todos os povos do planeta querem vê-lo passar. Um poema sensível, delicado e de esperança. Parabéns!
    Um bom final de semana, com saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  14. Um poema tão intimista, carece sempre de um olhar reflexivo.
    A Garra e a Ternura! Duas palavras e tanto que elas contêm!...
    Quando no entardecer da vida, a cinza nos invade o olhar, penetramos na escuridão e toda a luz nos pertence! Por isso, pressentimos, por isso vemos, por isso sabemos que sempre se regressa pelo lado do amor!
    Que maravilha Teresa o teu poema!

    Um bom fim de semana para ti.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  15. As situações difíceis não são eternas e a elas sucedem-se, quase sempre, grandes vitórias...

    Sim, querida Teresa, andamos todos carentes de ternura...
    O vídeo e a música são lindos...

    Tudo bom. Beijinhos
    ~~~~~~

    ResponderEliminar
  16. E vamos percorrendo com os olhares de antes os caminhos, as ruas não as mesmas e os passantes são outros, mas as flores da primavera vêm vindo, enchendo de garra e ternura para as colhermos juntos com os abraços que não esquecidos...
    Um beijo, minha amiga Teresa!

    ResponderEliminar
  17. Numa altura como a que atravessamos em que tão sedentos andamos de beijos e abraços... esta sua emocionante inspiração, toca-nos fundo, Teresa!
    Que o mundo volte a ganhar as cores de antes, em breve!
    Um beijinho! Votos de tudo a correr pelo melhor, por aí!
    Ana

    ResponderEliminar

Voltarei!