sábado, 14 de agosto de 2021

Alboroço

VAI SER UM ALBOROÇO!
"Alboroço é mirandês da garganta ao ouvido. Com todos os sentidos. É um ciclo de programação cultural na Terra de Miranda. Desafia o momento, instiga novas reflexões sobre os territórios rurais do interior e inspira releituras acerca da relação da comunidade com o espaço público, com o património e com a arte. É uma oportunidade de cruzar olhares outrora distantes. Alboroço é urgente. Irrompe no silêncio e agita a terra com música, teatro, performance e circo contemporâneo nas treze freguesias do Concelho de Miranda do Douro."

Camino screbido na lhinha de l’hourizonte
Deseio lhargo, sentido ne l coraçon
I quaije se béien las rugas chenas de giente
I se scuitan ls segredos de las piedras
Ne l sonido de l’arruada
Alboroço a zafiar la solidon.
Esta nuite Infainç spertou
L ancanto de las casas, de las cruzes
De las eigreijas i de l berano
Chica beilou la gana de bibir
I la malta cantou i sonhou
La tierra a zambuober
I quanto mais scuro mais se bei
Benírun de baixo
Fazírun bruído
Na aldé cul gusto de ninos a correr
Al aire de la nuite d’Agosto.

-------

https://www.facebook.com/alboroco/videos/245215577424354

Caminho escrito na linha do horizonte Desejo imenso sentido no coração quase s veem as ruas cheias de gente
E se escutam os segredos das pedras na música da arruada
Alvoroço a desafiar a solidão

Esta noite Ifanes despertou
O encanto das casas e dos cruzeiros
Das igrejas e do verão
Chica bailou a gana de de viver
E a malta cantou e sonhou
A terra a desenvolver

E quanto mais escuro mais se vê
Vieram de longe
Trouxeram clamor
À aldeia com gosto de meninos a correr
Na brisa da noite de Agosto.
Chica bailou a vontade de viver
Das Igrejas e do verão
Teresa Almeida Subtil














17 comentários:

  1. Boa tarde Teresa,
    Um poema muito belo, em mirandês segundo creio, que me remeteu às festas noturnas e alegres, de agosto, dessas belas terras de Miranda do Douro.
    Gostei imenso.
    Um beijinho e obrigada pela sua visita e comentário.
    Ailime

    ResponderEliminar
  2. Tentar ler até tentei. Mas conseguir? Pois, não consegui, lol
    Fotos muito bonitas.
    .
    Feliz fim-de-semana.
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
  3. Poema lindo, fotos que bem mosytram e fazem ver a festa por lá! Adorei! beijos, chica

    ResponderEliminar
  4. Olá, Teresa, li acima o convite, com muita atenção, justamente por ter curiosidade sobre o mirandês. Mais abaixo, li o poema traduzido para a língua portuguesa, do original mirandês.
    Achei belíssimo o poema traduzido, mas bem que gostaria de saber mirandês por ter gostado da sua melodia.
    (talvez você não se lembre, mas há alguns anos, comentei aqui um poema seu em mirandês, achando que estava lendo em espanhol).
    Parabéns pela postagem.
    Um excelente domingo, com saúde e esperança.
    beijo

    ResponderEliminar
  5. Tenho o vídeo desta noite mágica numa aldeia - outrora - cheia de vida.

    Não consigo publicá-lo aqui.

    A Chica perdeu o marido numa situação rocambolesca. Ela ficou tão magoada que quando chega algum conjunto à terra exibe-se bailando e oferecendo bolos.

    ResponderEliminar
  6. Muito obrigado pela tradução. Gostei muito de ler.
    .
    Domingo feliz … cumprimentos
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
  7. Olá, Teresa, eu adoro ver as festas folclóricas de outros países!
    A cultura de cada região é muito curiosa.
    Que bom que você colocou a tradução! Belo!
    Beijinho, uma feliz semana, cuide-se.

    ResponderEliminar
  8. Obrigado pela partilha!
    👏👏👏... Boa semana!

    ResponderEliminar
  9. Quendo o alvoroço desafia solidão, até as pedras cantam. Lindíssimo o poema como lindíssima deve ter sido a festa onde posso imaginar o teu entusiasmo...
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  10. Que divino o ALBOROÇO,
    Querida amiga Teresa!
    Essa festa com certeza
    Parece ser um colosso,
    Em que o velho vira moço
    E o moço vira menino
    Por um processo divino
    Que mistura o presente
    Com o passado e se sente
    Ser todos atemporais
    Por serem todos iguais
    Por luz do Onipotente.

    Parabéns, querida amiga, pela linda postagem e pela grata partilha a um descendente português que desconhecia esse alvoroço todo. Teu poema está lindo. Beijos. Laerte.



    ResponderEliminar
  11. Belíssima partilha!
    Que não se perca essa bela Língua!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  12. Que maravilhoso ALBOROÇO Teresa!
    Já quase consegui ler sem a tradução...eheheheh!!!

    Grande abraço!

    ResponderEliminar
  13. Mas que alboroço... que festa...
    O poema é brilhante, gostei muito.
    O ruído à portuguesa é delicioso. Abençoados tímpanos... melhor, só o cozido.
    Bom fim de semana, querida amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  14. Que maravilhoso e enriquecedor alvoroço... que afasta qualquer silêncio e solidão... e lembra aos habitantes do nosso Portugal mais profundo, que não estão esquecidos! Quem dera, que houvessem mais alvoroços assim...
    Belíssimo contributo e partilha, Teresa! E adorei o poema, que tão bem traduziu tão louvável iniciativa, nas suas poéticas e alentadoras palavras!
    Um beijinho! Desejando-lhe um feliz fim de semana!...
    Ana

    ResponderEliminar
  15. Um Alvoroço mesmo! E o seu poema, amiga Teresa, bem no-lo transmite com ritmo e alegria.
    Nesse "Ruído à Portuguesa", gostei de ouvir acordes da musica de Cabo Verde, numa interpretação belíssima.

    Beijinhos
    Olinda

    ResponderEliminar
  16. um p0ema qu3 alvoroça o corpo e aquece a alma

    Beijo, querida amiga Teresa Almeida.
    grato pela presenla

    ResponderEliminar
  17. Chego para este alvoroço ainda que tardiamente. Adorei a festa e o belo poema!
    Um beijo, minha amiga!

    ResponderEliminar

Voltarei!