segunda-feira, 13 de novembro de 2017

A verdura do olhar / La berdura de l mirar

A verdura do olhar 

É em águas límpidas que me jogo
E da vida colho bálsamo azul.
Sensualidade florida, cachoeira arrebatada.
Língua sem freio, macia, desencravada.

Só te ama quem por ti se lança sem decoro.
Quem se faz verbo e se conjuga no infinito.
Quem se magoa e se desnuda clara e bravia.
Te diz princípio, aventura. Nunca servil.

Ternura desfiada em flauta pastoril.
Cor de giesta e urze. Fala mirandesa. Festiva.
Âncora e eternidade.
Ribeira que canta a verdura do olhar,
Debruada de candura.
 

 La berdura de l mirar

Ye an augas claras que me jogo
I la bida s´ antende bálsamo azul.
Sensualidade florida, cachoeira arrebatada.
Lhéngua sien trabon, macie, zancrabada.

Solo t'ama quien por ti se lhança sien bargonha.
Quien se fai berbo i se cunjuga ne l'anfenito.
Quien se pica i se znuda clara i brabie.
Te diç percípio, abintura. Nunca serbil.
Buntade de bestir saia i corpete.

Soudade zlida an fraita pastoril.
Quelor de scoba i urze. Dança Mirandesa. Festiba.
Áncora i eiternidade.
Ribeira que canta la berdura de l mirar,
Debruada de candura. 


Teresa Almeida Subtil



7 comentários:

  1. Uma maravilha de poema, Teresa! Um poema de amor festivo com giestas e urzes e límpidas águas...
    "Só te ama quem por ti se lança sem decoro". Tão belo, tão insinuante!
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Olá Teresa!
    Gostei muito do seu "A verdura do olhar, na nossa língua e em espanhol, "La berdura de mirar". Do teu belo poema transcrevo os dois versos, que o encerram:

    "Ribeira que canta a verdura do olhar,
    Debruada de candura."


    Parabéns, minha amiga poetisa.
    Um abraço.
    Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo Pedro,
      neste blogue escrevo em português e mirandês. São as duas línguas oficiais de Portugal. Eu vivo no planalto mirandês e, por isso, me entusiasmo tanto.

      Beijinho.

      Eliminar
    2. Querida amiga Teresa devo ter confundido alguma postagem com esta tua daí ter dito que o poema é escrito em português e espanhol. Peço-te perdão.
      Um beijo.
      Pedro

      Eliminar
  3. Só te ama quem (...)/quem te diz princípio, aventura/ nunca servil - assim te quero, fala mirandesa!

    poema escrito com o corpo. na paisagem...

    muito belo, Teresa Almeida.

    beijo



    ResponderEliminar
  4. Um poema azul, bordado com a verdura das margens com o rodopio da serra.Tão bela esta personificação arrebatadora onde os sentidos mergulham!
    Abraço, Teresa!

    ResponderEliminar
  5. Uau! Gosto muito do que escreves, Teresa, as palavras parecem possuidoras duma sonoridade que lhes confere vida.

    Um abraço :)

    ResponderEliminar

Do Éden oriundo