quarta-feira, 24 de abril de 2019

Impulsos desmedidos



Este marulhar de impulsos desmedidos
Que na tela verto
Sons incontidos que no peito explodem
Terra que comes, lábios que mordes
Aves a tanger o infinito.

E neste céu toldado a medo e grito
Teço areais de inspiração e pinto grão a grão
O insano desassossego
Melodia e alma de alagado chão
E o vigor humano em que acredito.


Teresa Almeida Subtil

(Inauguração do "Sonho"de Mariela)


Hoje,
 no Museu Terra de 
Miranda


14 comentários:

  1. A pintura é muito boa.
    E o poema é excelente, gostei imenso.
    Teresa, um bom 25 de Abril e um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  2. Elementos magníficos:
    A tela, o poema, o vídeo e a música de Ernesto Cortazar.
    Aplaudo a profundidade, o bom gosto...
    Tudo bom, querida Amiga.
    Beijinhos Teresa.
    ~~~~

    ResponderEliminar
  3. Perfeita conjugação da Poeta e a Artista Plástica!

    o Poema é arrebatador!
    vórtice de emoções em que, sem apelo, o leitor se despenha na atração inescapável

    parabéns, minha amiga Teresa Almeida

    beijo para a Poeta,
    beijo para a Pintora

    ResponderEliminar
  4. Eis o mar em todo o seu esplendor: são belos o quadro - talento que te desconhecia -, o poema, o video, a música; um post carregado de bom gosto!
    Daqui saio mais desperta para a grandiosidade!
    Beijo!

    ResponderEliminar
  5. Um poema de "impulsos desmedidos". Na verdade és uma Poeta enorme, minha Amiga Teresa! Com "sons incontidos que no peito explodem" e fazem das palavras um momento quase íntimo...
    Uma boa semana.
    Um beijo

    ResponderEliminar
  6. Meu Deus, o teu marulhar
    Inaudível que se ouvia
    Da obra, tem a magia
    De entoar o som do mar

    E pode-se até escutar
    Da obra em fotografia
    Uma estranha melodia
    Nas asas do vento ou ar.

    Gostei da composição
    Onde as rimas estão
    Em pauta do livre verso.

    É a configuração
    Do belo num outro vão:
    Do poema limpo ou terso!

    Parabéns pela maneira diferente de versejar. Ficou lindo, o poema! Bravo! Abraço fraterno. Laerte.


    ResponderEliminar
  7. Olá, Teresa!
    Gostei dos seus "Impulsos desmedidos", de beleza inquietante, como esta bela estrofe, que abr o poema:

    Este marulhar de impulsos desmedidos
    Que na tela verto
    Sons incontidos que no peito explodem
    Terra que comes, lábios que mordes
    Aves a tanger o infinito.


    Também gostei muito do vídeo.
    Um ótimo feriado, querida amiga Teresa.
    Beijo.
    Pedro

    ResponderEliminar
  8. Gosto muito dos teus impulsos escritos.

    Beijinho, Teresa!

    ResponderEliminar
  9. Passei para ver as novidades.
    Mas gostei de reler o teu magnífico poema,
    Teresa um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  10. Sintonia perfeita e bela entre o poema e a pintura.
    Boa semana
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderEliminar
  11. Ainda que bem que não faltam impulsos para que leias os recados que chegam nas asas do vento. E tudo se faz arte nas suas mãos... E ficamos deslumbrados...
    Um beijo, Teresa!

    ResponderEliminar
  12. Uma publicação verdadeiramente arrebatadora, em todas as vertentes... Parabéns, Teresa!
    Ficarei com esta sua fabulosa inspiração debaixo de olho... anotada no meu caderninho de futuros destaques, por lá no meu canto!... Pura emoção, em cada palavra! Adorei!!!
    Beijinhos! Feliz semana!
    Ana

    ResponderEliminar

Voltarei!