domingo, 7 de abril de 2019

"Moçambique, palavra tão bonita!"





Sabia-te força afetiva
Colorida e quente
Passo largo e descontraído
Espaço aberto
E dança livre.

 De olhar sofrido, sei-te agora
Chão perdido e imenso lamaçal
E há ninhos de aves e berços humanos
Nas árvores que restam.

Carência e destino incerto.
 Moçambique, ferido e perplexo.

Sonho-te ainda, abraço infindo,
pele rejuvenescida, farol 
Magia e progresso.

Teresa Almeida Subtil

ciclone Idai 14/03/2019


13 comentários:

  1. a frágil condição humana perante os elementos da natureza,
    num pais dos mais pobres do mundo, mas com um povo rico
    em afectos – moçambique.
    e serão estes povos os que mais sofrerão pelas alterações
    climáticas. elas aí estão para nosso triste destino e pelos
    erros cometidos e que continuamos a desprezar.
    gostei muito deste seu sentido poema, minha amiga Teresa.
    um beijo neste domingo de chuva e neve abençoados.

    luís m. castanheira ( como anónimo, única forma de comentar)

    ResponderEliminar
  2. As nossas lágrimas por Moçambique não secaram ainda, Teresa. Um poema muito sentido e um vídeo com imagens que me tocaram imenso.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  3. Admiração é o que sinto pelo povo moçambicano, habituado a uma vida dura e de privações. Toda a ajuda que possamos levar a esse povo é pouca. E esperemos que chegue como deve ser.
    Sentido e belos poema e vídeo.
    Um abraço.
    Boa semana.

    ResponderEliminar
  4. Há imensa perda e desolação numa cidade ou localidade destruída...
    Um solo que era chão seguro, agora é local sinistro e letal, pois
    deve ter perecido muita fauna... os crocodilos escondem para mais
    tarde se banquetearem...
    Vai ser preciso um esforço gigantesco, pois as estruturas
    turísticas devem ter ficado muito afetadas.
    Era hora de pensar algo parecido como as Cinco Lágrimas por Alepo.
    Ou sete...
    O vídeo é emotivo, tal como o seu belo, sentido e expressivo poema.
    Beijinhos, querida Teresa.
    ~~~~~

    ResponderEliminar
  5. homenagem ao Povo Moçambicano mmuito bonita, generosa e sensível

    felicito-te, Teresa! é um belo Poema

    beijo

    ResponderEliminar
  6. https://saboreioanatureza.blogspot.com
    Olá Teresa!
    Um belo poema, colorido e quente...mas de olhar sofrido ainda bem presente.
    Gostei muitíssimo da tão sentida homenagem à gente de Moçambique.
    Beijinho de boa noite.
    Luisa

    ResponderEliminar
  7. Olá, Teresa!
    Um poema inspirado, querida amiga, que se inicia com esta estrofe, que transcrevo:

    "Sabia-te força afetiva
    Colorida e quente
    Passo largo e descontraído
    Espaço aberto
    E dança livre."


    Uma boa continuação da sema, Teresa.
    Um beijo.
    Pedro

    ResponderEliminar
  8. Força rejuvenescida
    Que é luz, é sonho, é amor
    É juventude ao esplendor
    No holofote da vida

    Iluminando à guarida
    Aos novos sonhos! Se for
    Sonhar com real fervor
    A juventude é vivida

    Só de sonhos e esperança.
    O jovem é uma criança
    Que já cresceu, mas não sente

    Ser o ser que ainda balança
    Para entrar ou não na dança
    Do adulto, tão de repente!

    Grande abraço! Laerte.

    ResponderEliminar
  9. Emocionada lembrança ao povo de Moçambique, querida amiga, que tragédia! Como esquecer? Belíssimo e sensível poema.
    Beijo, querida amiga, bons dias pela frente!

    ResponderEliminar
  10. Uma belíssima e sentida homenagem ao tão sofrido povo de Moçambique... que para lá das suas duras condições de vida... se viu a braços com esta tragédia, que veio reclamar tantas vidas... e tanto... do pouco... que já tinham...
    Adorei o vídeo... que não poderia ter complemento mais perfeito, nas suas sentidas palavras, Teresa!
    Beijinho! Continuação de uma excelente semana, Teresa!
    Ana

    ResponderEliminar
  11. Uma bela e sentida homenagem poética.
    Gostei imenso, parabéns.
    Teresa, um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  12. Querida Teresa

    Talento aliado ao sentimento e à sensibilidade nesta sua homenagem.
    Nos seus versos visualizamos o Moçambique colorido e quente, livre
    nas suas danças e cantares e a outra realidade ocorrida a 14/03,
    quando é devastado pelo ciclone Idai. A recuperação levará tempo.

    Tal como "Lua "Azul", desejo que as ajudas que lhe estão sendo enviadas cheguem a cada recanto e em condições. De referir as mulheres que, segundo li, têm passado por situações deveras humilhantes e violentas para conseguirem alimento para os filhos.
    https://observador.pt/2019/04/14/mocambique-mulheres-forcadas-a-ter-sexo-em-troca-de-ajuda-humanitaria/

    Gostei muito do video- as imagens, as músicas, as recordações.
    O título do seu post lembrou-me João Maria Tudela e as suas canções dedicadas
    a Moçambique.

    Beijinhos

    Olinda

    P.S. Em relação às "leituras" abordadas no "Xaile", posso enviar-lhe e-mail?

    Obrigada.

    Olinda



    ResponderEliminar
  13. Muito grata a todos os amigos que, como eu, se solidarizam com os que sofrem em Moçambique. O que nos chega é de tal ordem que se justificam todas as ajudas e alertas. Um livro é uma excelente ideia, querida Majo.

    É verdade, querida Olinda, que João Maria Tudela nos ajudou a ter uma ideia muito bela de Moçambique. Inspirou-me sim. Desejamos que, a curto prazo, este país se recomponha e a tragédia sirva para promover o crescimento social e económico. Infelizmente há sempre quem se aproveite da infelicidade dos outros, como sabemos.

    O meu e-mail está sempre aberto para os amigos. Considero, ainda, que os comentários e as opiniões que trocamos nos valorizam e estimulam.

    Bem hajam!

    Abraços.

    ResponderEliminar

Fui d'abalada