domingo, 4 de agosto de 2019

Poesia na cozinha


À volta da mesa as expressões dizem da qualidade da comida.
E entre os convivas perpassam sentimentos de união.
Afinidades de paladar atraem grandes amizades.
Somos soltos e dizemo-nos verdadeiramente.
Conquistamo-nos, é verdade.

À volta do tacho fervilham versos de arrepiar.
E é de cumplicidade que os ingredientes se envolvem
E os temperos acrescentam singular paladar.
Cruza-se a fantasia nas mãos de quem compõe

Um prato de indescritível prazer.

Cozinhar é um dom de quem o sente e partilha.
Até o poeta se ajoelha e declama, o músico dedilha a melhor melodia.
E o pintor acende tons impressionistas.

A mesa é um lugar sagrado. É um lugar de afetos.
E é tão natural a gargalhada
Como a guitarra bem afinada a contorcer-nos o corpo e o espírito.
E a satisfação e o rubor sobem ao rosto 
De quem da cozinha faz poesia.



Teresa Almeida Subtil













Abertura do 20º Festival Intercéltico 

em Miranda do Douro 

com o grupo MELKISEDEK (Argentina).



10 comentários:

  1. Também sinto a mesma relação entre a poesia e a culinária esmerada e já expressei essa ideia num poema.
    Ótimo festival... Prova de tudo...
    Abraço grande.
    ~~~

    ResponderEliminar
  2. Teresa,
    Reunia amigos em torno de uma mesa de refeição é algo nobre, que Jesus Cristo já praticava com seus apóstolos.
    Os prazeres da vida estão em partilhar e compartilhar esses bons momentos ao lado de quem gostamos e, que tem reciprocidade de sentimentos por nós.
    A poesia está para a literatura, assim como o sal está para a culinária... É indispensável!!!
    Beijos também são bons temperos dessa vida...
    Então, beijos para ti, minha querida!
    Até a próxima!!!

    ResponderEliminar
  3. "Cozinhar é um dom de quem o sente e partilha." Quase senti o cheiro da boa comida e dos condimentos. E a pão me souberam as palavras…
    Muito bom, Teresa! Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. duas "liguagens" - a poesia e a culinária - ao serviço do mesmo objectivo de bom gosto e paladar apurado.

    requinte e sabedoria, especialmente, elaborados neste maravilhoso poema

    gostei muito, Teresa

    beijo

    ResponderEliminar
  5. "linguagens", deve ler-se
    peço desculpa

    ResponderEliminar
  6. Bom dia Teresa,
    Um poema belíssimo!
    Em redor da mesa onde a poesia está presente e a Poeta a sabe captar divinamente.
    Um beijinho e ótimo dia.
    Ailime

    ResponderEliminar
  7. Que ótima criação, Teresa, poesia e 'quitutes' devem ser deliciosos! Taí uma combinação que eu desconhecia, mas aprovo, e provo! Estou servida?
    Beijo, querida amiga.

    ResponderEliminar
  8. Até na cozinha pode haver poesia...
    E este teu magnífico poema tem os paladares da excelência.
    Teresa, um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar

  9. Querida Teresa

    Não pude deixar de sorrir, agradada, à medida que ia lendo este seu poema saboroso e cheio de amor. E sorria porquê? O meu irmão Manuel teve sempre a pretensão de se transformar num grande cozinheiro, com restaurante próprio. Mas não passa disso, pois, confiando em toda a gente, os seus negócios nessa área vão sempre por água abaixo. Tem sempre grandes ideias, não haja dúvidas, e ficamos a tremer quando ele os expõe à família. :) Há uma coisa que ele me disse um dia destes: "Sabes uma coisa? Considero quem cozinha um maestro que tem a arte de orquestrar tudo, todos os ingredientes, cada um deles desempenhando o seu papel com vista ao grande momento de degustação que culmina num prato bem confeccionado." E enquanto isso, ia temperando, juntando, separando, cortando, picando, com as suas ágeis mãos. Mãos de músico, porque também é músico.

    Ao ler o seu poema vi como ele tem razão na atenção que dedica a cada um dos pormenores na arte de cozinhar, pois, a comida cozinhada com amor tem outro sabor .
    E realmente, minha amiga, à volta de uma mesa onde nos reunimos com todos os que amamos gozamos momentos de companheirismo, de amizade, de amor, numa grande comunhão, literalmente.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  10. É mesmo... a poesia tem sempre infinitas formas de se revelar... e também à mesa... tanto para quem cozinha, como para quem saboreia...
    Fantástico este poema, que levou a poesia a ser repensada e apreciada, através da gastronomia...
    Mais uma inspiração brilhante, Teresa! Parabéns!
    Beijinho
    Ana

    ResponderEliminar

Cativa-me