terça-feira, 10 de setembro de 2019

Rente à telha


             
Abre-se a comoção da tarde
A navegar em vela branca e nua
E a ponte é suave abraço de mulher

A lua é beijo a brilhar na amurada
Por onde se espreguiça teu olhar
E o par que tropeça na calçada
Arrebata o rubor da flor

Rente à telha sucumbe o dia
Em arroubos de prazer.


Teresa Almeida Subtil


Museu romântico - Porto





7 comentários:

  1. Rente ao teu dizer a comoção das palavras tão belas com que envolves o poema. Gostei mesmo.
    Um grande beijo.

    ResponderEliminar
  2. "E a lua é beijo a brilhar na amurada
    Por onde se espreguiça teu olhar"

    Parabéns querida amiga Teresa pelo inspirado poema, que tem belos versos como esses.
    Uma ótima semana Teresa.
    Um beijo.
    Pedro

    ResponderEliminar
  3. ... e o Rio Douro (agora a desenhar-se foz) como cenografia
    dessa "emoção navegar em vela branca e nua"...

    muito belo, Teresa.

    beijo

    ResponderEliminar
  4. Belíssimo poema e uma foto espectacular.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  5. Metáforas encantadoras, em ritmo delicado.
    Gostei muito do teu poema, querida Amiga.
    A foto é deslumbrante! Gostei de ouvir o
    Rui, ao tempo que isso não acontecia!
    Os meus parabéns.
    Excelente fim de semana.
    Abraço grande.
    ~~~~

    ResponderEliminar

  6. Querida Teresa

    O seu poema, palavras belas, envolve tudo em magia:
    aqui o Museu, ali a ponte e o rio, toda a paisagem, e esse
    "Porto Sentido" de Rui Veloso.

    Adorei, minha amiga, esse cálido ambiente.

    Beijo

    Olinda

    ResponderEliminar
  7. Prazer enorme ter chegado aqui e encontrado uma linguagem poética bem dentro do estilo que eu aprecio. Um blogue admirável, gerido com poesia e sabedoria. Os meus sinceros parabéns.

    ResponderEliminar

RONDA LAS DEGAS/ RONDA DAS ADEGAS