segunda-feira, 6 de janeiro de 2020

A LA FALA CUL MIRANDÉS



A la fala cul mirandés.

La lhéngua ye speque de l’eidentidade dun pobo. An Miranda fala-se mirandés zde que Pertual s’antende cumo naçon, ne l rincon stur-lhionés.
Cuntina a ser falada assi cumo cuntina a ser ousada la capa de ls pastores i dambas a dues sírben para arrolhar ls poucos haberes de la giente. Poucos ye un modo de dezir, porque Leite de Vasconcellos, Abade de Baçal, Padre Mourinho, Abade Sardinha, Domingos Raposo, Amadeu Ferreira i muitos outros botórun-la a ombros i solo assi puode seguir adelantre este tesouro. Ten reglas, ye ua lhéngua oufecial. I Júlio Meirinhos dou-le essa proua i essa dignidade pula Lei 7/99 de 29 de janeiro, aporbada por ounanimidade na Assamblé de la República. I la capa d’honras, mais afidalgada, fai figura na praça D. Juan III pulas manos de l scultor sendinés António Nobre. Ye ua eimaige que lhieba Miranda de l Douro até la cucruta de la fin de l mundo.
Nas scuolas por bias de la curgidade l sou diretor i de ls porsores de mirandés, ls alunos, na grande maiorie yá fálan mirandés i lhieban-lo, tamien, pul mundo afuora. Ye esse l camino.
Ben isto a perpósito de la “tertúlia” que ye un modo de dezir, un serano bilhingue, de la respunsablidade de l’Ounibersidade Sénior de Miranda de l Douro, a la qual tengo l gusto de pertencer.
De la mie parte la gana de ir a la fala cul mirandés i daprender quanto puoda. Quantos mais stubíren melhor será l’aprendizaige i l’alegrie. Ten que ser an pertués i an mirandés, para abraçar todos ls que la mamórun i ls que le gusta i quieren daprender.
Bamos alhá, para dezir l que mos dir na gana! Bamos a la fala cul mirandés!
Quedaremos cuntentos cun la sala chena.

Teresa Almeida Subtil


Cumo stamos an tiempo de reis, agora digo you:
Quien bos ben cantar ls reis
De nuite pula cidade
A la cierta quier star
Nesta ounibersidade
Quien bos ben cantar ls reis
De nuite pula gelada
A la cierta quier saber
Se stá buona la rabanada
Quien bos ben cantar ls reis
Por ua nuite sien lhuna
A la cierta quier saber
Las modas da nuossa tuna
Quien bos ben cantar ls reis
Numa eidade tan fadista
A la cierta quier saber
Se tu sós cuntrabandista
Quien bos ben cantar ls reis
Cun uas mirandesadas
A la cierta quier saber
Se trais lhonas i risadas.
Quien bos ben cantar ls reis
I trai un copo de bino
A la cierta quier saber
Se quieres seguir camino.
TAS


I agora dizes tu:


11 comentários:

  1. Teresa, é linda a cantiga!
    De casadas, raparigas,
    Vinho novo e as antigas
    Candeias que Deus bem-diga

    Que davam a luz, mina amiga!
    Que bom que ainda abrigas
    No teu espaço essas ligas
    Com o passado que mitiga

    A sede desse sabor
    Da luz, do sonho, do amor
    Dele com o tempo presente.

    Isso sim, tem mais valor
    E tua alma, por favor,
    Lembra o que faz bem à gente!

    Grande abraço! Laerte.

    ResponderEliminar
  2. Estimada Teresa.
    Gostei de ler o que contas sobre o mirandês. Não fazia ideia que era uma língua oficial e que se ensinava na escola...
    Muito interessante.
    As janeiras são uma terna relíquia, em vias de extinção, (grande é o frio noturno), mas salvas por quem ama a cultura popular.
    Uma bela postagem, para o convívio poético 2020...
    Beijinhos
    ~~~~~~

    ResponderEliminar
  3. arroutchado abrazo,

    e roubo-te esta quadra

    Quien bos ben cantar ls reis
    I trai un copo de bino
    A la cierta quier saber
    Se quieres seguir camino.

    ResponderEliminar
  4. Olá Teresa!
    Lindas quadras alusivas ao dia de Reis em Mirandês, como sempre acompanhadas de uma musica muito bem escolhida!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Sensibiliza-me sempre a voz e a simplicidade do Zeca. Obrigada por o teres trazido aqui, Teresa.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  6. Adorei o poema alusivo ao dia de Reis... E as suas palavras, que nos dão a conhecer um mais um pouco, sobre tão fascinante língua!
    E fiquei encantada com o tradutor do link, que me deixou, Teresa, que não carece de instalar programa... de Português para Mirandês é fantástico... mas realmente de Mirandês para Português... só palavra a palavra... noutros endereços que andei a pesquisar... vi um... em que teria de instalar um programa específico...
    Quando tiver mais tempo, ainda vou ver se encontro algum outro que me tenha escapado, e que talvez faça a tradução imediata, sem ser preciso instalar nada...
    Beijinho!
    Ana

    ResponderEliminar
  7. O Mirandês não pode morrer. Até porque os não iniciados percebem quase tudo.
    Gostei do texto, da canção do Zeca Afonso e do poema. Parabéns por este magnífico post.
    Teresa, um bom resto de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. Querida Teresa

    Uma grande emoção esse texto e poema em mirandês. Mesmo não conhecendo os sons sinto-a uma língua doce, para falar da amizade e de amor pelas coisas belas da vida. Praticando-a nas escolas e em tertúlias e afins, a língua mirandesa será mais e mais conhecida.

    Bom Ano, minha Amiga.

    Beijo

    Olinda

    ResponderEliminar
  9. Eu não entendo muitas das palavras escritas nessa língua, mas me soam muito agradavelmente sonoras! Um beijo, Teresa, e bons dias pela frente.

    ResponderEliminar
  10. Minha querida amiga , despertaste o “ animal da saudade “
    que aos poucos se vai desfazendo com o tempo !
    Começas a incutir espécie de nostalgia quando escreves em mirandês . Doce , soando certas palavras à terra que nos viu nascer .
    Depois , as janeiras... quanta saudade, quanta alegria !
    Obrigada por nos trazeres este pedacinho de magia !
    O nosso abraço !

    ResponderEliminar

Literatura de Natal