quinta-feira, 23 de abril de 2020

Abril em Portugal



Por instantes 



Por instantes
Abre o sol na alcáçova dos abraços
E há mãos que amam e sofrem
E inauguram palavras que escorrem
Dos dedos
E pássaros da liberdade que cantam
Mornas de saudade

Por instantes
Deslizam e chispam na corrente
Reflexos de cravos vermelhos
Alguns de Abril acesos
Outros mergulhados na sombra
Como abutres transidos de medo.


Por instantes
Abre-se a música das varandas
A alegria e os aplausos
Que saúdam quem se entrega
A salvar as primaveras
De cada um.

Por instantes
Nos céus e na terra
Esbanjo, meu amor, os beijos
Que confinei noutra guerra
E nesta também.

Por sfergantes  (Lhéngua mirandesa)

Por sfergantes
Abre l sol ne l nial de ls abraços
I hai manos q'áman i súfren
I çcúbren palabras que scuorren
De ls dedos
I hai páixaros de la lhibardade que cántan
Mornas de suidade

 Por sfergantes
Zlhúbian i chíçpan na corriente
Relhistros de crabos burmeilhos
Alguns d’Abril acesos
Outros afundidos na selombra
Cumo cuorbos chenos de miedo.

 Por sfergantes
Abre-se la música de las barandas
L'alegrie i ls aplausos
Que salúdan quien s’antrega
A salbar las primaberas
De cada un.

 Por sfergantes
Ne ls cielos i na tierra
Arramo, amor miu, ls beisos
Que guardei noutra guerra
I nesta tamien.

Teresa Almeida Subtil

25 de Abril siempre!

13 comentários:

  1. Bom dia:- " Por instantes "

    Embrenhei-me na leitura de tão belo poema e quase me esquecia do tempo. Maravilhoso de ler. E, amanhã, é dia de cravos vermelhos, em Portugal
    .
    Tenha um dia feliz

    ResponderEliminar
  2. Bom dia. Adoro esta musica! Abril sempre. Adorei o peoma!

    -
    Tudo desperta, como a vida, quando regressa
    -
    Beijos e um excelente fim de semana

    ResponderEliminar

  3. "Por sfergantes", lindo em mirandês.

    Esbanjemos amor. Que esse sentimento não seja negado porque é o que nos salvará. E salvemos nós os valores conquistados sempre que estiverem ameaçados.

    Gostei muito do seu poema, querida Teresa. A sua sensibilidade a falar-nos ao coração, sempre, com as palavras certas.

    Bela interpretação de "Eu vim de longe". Adorei ouvir.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  4. Maravilhosos instantes poéticos.
    Parabéns pela excelência das tuas palavras.
    Teresa, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  5. “Abre o sol na alcáçova dos abraços
    E há mãos que amam e sofrem
    E inauguram palavras que escorrem
    Dos dedos
    E pássaros da liberdade que cantam
    Mornas de saudade”


    Os primeiros versos do poema dizem-nos de uma amargura que aprisiona, não estando ausente do canto a esperança perfumada dos cravos vermelhos, que virão colorir muitos jardins e realizar muitos sonhos. Parabéns!

    Um bom final de semana, com os cuidados com a saúde,

    Um beijo, minha amiga Teresa.

    ResponderEliminar
  6. belo e emocionante Poema de Abril, Teresa!
    tão genuíno e generoso que comove!...

    sim, minha amiga. revejo-me também nessa ideia de "esbanjamento" de sonhos e utopias que o "25 de Abril" oferece e projecta em cada um de nós...

    o teu belo poema de Abril. Teresa, tem o mérito superlativo de ser escrito em língua mirandesa, o que para mim releva de uma forma especial.

    25 de Abril. Sempre

    arroutchado abraço, Teresa Almeida

    ResponderEliminar
  7. Um poema maravilhoso, Teresa! Sensibilizada celebro o 25 de Abril dentro do coração, sempre.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  8. O seu belíssimo poema de um Abril de ontem e de hoje!

    Foi uma extraordinária festa de comoção que sempre recordamos...

    Grata pelos emotivos momentos de leitura.

    Beijinhos, de vivas à Liberdade.
    ~~~~~

    ResponderEliminar
  9. 25 de Abril, sempre, florescido em poemas, em canções, para não ser esquecido!
    Um beijo, minha amiga Teresa!

    ResponderEliminar
  10. Se me permites, faço-te companhia:

    Há uma luz que refulge, sulcando as trevas
    Há um gesto que renasce, fazendo o dia
    Há um canto que se ouve, quase em murmúrio
    Há um despontar de vozes, quase melodia.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  11. Grata por me acompanhares, caro amigo AC.

    Em cúmplice murmúrio, as vozes vão crescendo
    Passo a passo.
    E a força da melodia é laço que desprende
    O embaraço
    Como se fosse o dia.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  12. Notável, este desfilar de Abril... em vários tempos... nas suas sempre apaixonantes e emocionantes palavras!
    Parabéns, por mais um momento poético, de excelência, Teresa!
    Beijinho!
    Ana

    ResponderEliminar

Voltarei!