quinta-feira, 16 de abril de 2020

Gineceus de poesia


Teus olhos
Pétalas molhadas
Desfolhadas nos olhos meus.

Claras madrugadas
A despertar nas margens do dia
Maviosos gineceus de poesia.

Páscoas de aleluia
Estilhaços de vida
traçados em meu rosto.

Lilases dançando
E sinos tocando
Melodia que ouço.

Miúdas pétalas do chão
Poemas que escreves
Em minha mão.

Teresa Almeida Subtil






14 comentários:

  1. Tanto o poema como a musica são fantásticas!
    -
    A esperança constrói-se devagar...
    -
    Beijos e um excelente dia!

    ResponderEliminar
  2. E ainda bem que há poesia.
    E da boa, como esta.
    Gostei imenso, parabéns pela excelência poética das palavras.
    Teresa, continuação de boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. A perfeição poética. Delicioso de ler
    .
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  4. Confinada em gineceu?

    Gostei do belo poema, querida amiga.
    Continuação de dias de excelente inspiração poética...
    Ótimo fim de semana.
    Beijinhos
    ~~~

    ResponderEliminar
  5. À moda antiga, confissão amorosa que lembra os trovadores antigos com um sabor de modernidade. Ou atualização da moda antiga na modernidade. Não falta lirismo nesta prenda que nos oferece!
    Um beijo grande, minha Teresa!

    ResponderEliminar
  6. Querida Teresa

    Ouvi com uma quase devoção esta bela peça musical, enquanto lia o seu poema. Olhos que são pétalas, morada e fonte da mais bela forma de amar: a Poesia .

    Adorei, minha amiga.

    Beijos
    Olinda

    ResponderEliminar
  7. um poema muito belo, Teresa.
    entre-tecido de pétalas e néctares que seduzem
    o leitor, pela sua musicalidade e belíssimas imagens

    beijo, minha amiga

    ResponderEliminar
  8. Um hino à suprema cumplicidade. Que coisa boa, Teresa!

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  9. Em Abril florescem os cravos os cravos
    Bj

    ResponderEliminar
  10. Há olhos assim, a merecerem um poema destes… Tão belo, Teresa!
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  11. E tuas mãos, marcadas de afeto, devolvem como poemas desprendidos das pontas dos dedos. Um beijo, Teresa, espero que esteja tudo bem contigo.

    ResponderEliminar
  12. Um belo poema de Amor, este, minha Amiga, onde se colhem nos olhos vidas a dois. Gostei muito da simplicidade em tanto a dizer...
    Um beijo, Teresa e cuidem-se.
    LuisM Castaheira
    (anónimo, porque ainda sem poder comentar a partir do m/blog)

    ResponderEliminar
  13. A palma da mão cheia de poesia salpicada de primavera.
    Ainda há tempo. Façamos a nossa parte. Fique em casa.
    Bjs

    ResponderEliminar
  14. Um magnifico cenário poético, traçado com a sensibilidade das suas palavras, e escolhas, Teresa, em mais uma formidável publicação!...
    Para apreciar e reapreciar!...
    Beijinho!
    Ana

    ResponderEliminar

Voltarei!