segunda-feira, 20 de julho de 2020

Verão no Nordeste


Com o livro na mão, abri a porta a nascente. E gostei de sentir a tarde com os poros abertos à carícia do sol. Havia gotas que nasciam dos malmequeres, das hortênsias, dos hibiscos e dos cíclames.
Ia sentar-me a ler na varanda, mas as folhas verdes e enormes da magnólia tinham a medida certa de poemas flamejando à chuva. E julguei ver duas cegonhas de uma brancura imaculada sobrevoando a minha rua.
Esqueci os medos, atravessei a casa e fui apanhar um astro que estava prestes a esconder-se. Dei-lhe a mão e levei a vibração ao responsável pela frescura no jardim.
E, naturalmente, descemos a rua em direção ao rio.







16 comentários:

  1. O texto é fabuloso e combina muito bem com esta maravilhosa musica dos ABBA, que saudade! 🌹
    **
    Andarilhando...

    Beijo e uma excelente Semana!

    ResponderEliminar
  2. Puro lirismo e encantamento. Estar de mãos dadas com o astro em direção ao rio. Sinto dizer-lhe que não vou esperá-la para o caldo verde, sei que demoras, risos!
    Um beijo, minha amiga Teresa!

    ResponderEliminar
  3. Palavras suaves e belas, que nos fazem esquecer também a nós todos os medos e nos permitem, repousar um pouco na frescura do seu jardim.
    Adorei voltar a ouvir esta música.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Doces e refrescantes estas águas
    que fazem esquecer leituras, mas
    não esquecem os astros que a minha
    amiga plant(a)ou no jardim.
    Entardecer que poderia ser um belo amanhecer. E assim nasce um poema,
    belo, simples e tão natural, como só
    havendo no olhar beleza.
    Gostei muito, Teresa.
    Um beijo

    ResponderEliminar
  5. Belo, belíssimo, esse "Verão no Nordeste". Ressuma tranquilidade esse ambiente mavioso, em que tudo se conjuga para uma tarde de puro encantamento. E seguir em direcção ao rio tão bem acompanhada é um privilégio.

    Adorei este seu texto. Todas as palavras, o ritmo, o sentimento, numa composição que só pode ser - Poesia.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  6. "descemos a rua em direção ao rio..."

    que melhor percurso para deslumbrar
    um astro acabado de colher? ...

    néscio eu
    que apenas agora leio esta maravilha...

    texto poético muito belo, Teresa Almeida
    parabéns...

    Beijo. minha amiga

    ResponderEliminar
  7. As magnólias com a medida certa de poemas... Por isso as cegonhas brancas te visitaram, e conseguiste tomar em tuas mãos um astro, e foste até ao rio. Tudo isto que só uma alma de poeta pode conseguir no instante do poema.
    Um grande beijo, Teresa.

    ResponderEliminar
  8. "Com o livro na mão, abri a porta a nascente."
    Tinha que ser com um livro! Ainda que tudo o que sentes e avistas da varanda, transpareça na imagem poética das palavras com que descreves a beleza da paisagem, o voo das cegonhas ( tinham que ser duas) e a corajosa corrida atrás do astro prestes a esconder-se...!!
    Ler-te é sempre uma delícia!
    Um abraço!
    A.S.

    ResponderEliminar
  9. Uma pausa deliciosa, 'Verão no Nordeste', numa pandemia carrancuda e muito triste.Faz a gente esquecer por alguns momentos! Inspiradíssima a minha amiga.

    "Esqueci os medos, atravessei a casa e fui apanhar um astro que estava prestes a esconder-se."

    Um beijo, até mais, Teresa!

    ResponderEliminar
  10. Demorei a vir como o meu amigo Manuel, por isso voltei... para reler e treler!
    Um beijo, minha amiga Teresa!

    ResponderEliminar
  11. Que dizer? É lindo, Teresa, um autêntico hino à vida.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  12. E assim despontou mais um belo poema
    Bj

    ResponderEliminar
  13. Bella poesía, llena de instantes que el poeta perpetua en su palabra...
    Me gusta la poesía y por ello comparto
    Un gusto leerte.

    ResponderEliminar
  14. Olá Teresa.

    Uma beleza este teu poema em prosa. Senti-me nesse local, tendo no rosto a brisa suave, no cair da tarde. Parabéns poetisa.

    Uma ótima quarta-feira Teresa.

    Beijo.

    Pedro

    ResponderEliminar
  15. Simplesmente maravilhoso, este energizante entardecer... poético e fotográfico...
    Adorei!!! Deveras inspirado e inspirador, Teresa!...
    Beijinhos! continuação de uma boa semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  16. E lendo, participamos dessa sua trajetória poética maravilhosa. Só da alma pode nascer tal visão e encantamento, em um entardecer qualquer. Bjs.

    ResponderEliminar

Voltarei!