sexta-feira, 23 de outubro de 2020

Serenidade (Reeditado)


                                Com Amadeu Ferreira em Livraria Bulhosa - Lisboa


Serenidade (an mirandês)

Partiste cumo un assopro,
un airico tan brabo quanto sutible
de pura poesie. ...
Ancuontro-te, inda, streilha fulgurante,
ancentibo, sementeira a germinar
na naturalidade de ls caminos que trilheste.
Ancuontro, inda, na palabra derramada,
nas páiginas que deixeste, l brilho, la singularidade de l mirar,
la fiesta de la bida nua berdadeira risada - la tue.
Ancuontro-te, percipalmente, na serenidade de la lhuç q'abre camino
i mos amostra las pequeinhas coisas, las que rialmente amportan.
Ancuontro, ne l splendor de l die que, an mi, se recuolhe,
tantas rezones para dezir:

 bien haias, Amadeu Ferreira.


Teresa Almeida Subtil


(Amadeu Ferreira era Presidente da Associação de Língua e Cultura Mirandesas.) 

13 comentários:

  1. "sementeira a germinar
    na naturalidade de ls caminos que trilheste"...
    quem melhor diria da amizade e admiração?

    junto, Teresa Almeida, minhas palavras às tuas palavras para enaltecer o ilustre mirandês e colher o exemplo de vida tão bem sintetizada, quando afirmas: "brilho, la singularidade de l mirar, la fiesta de la bida nua berdadeira risada"

    beijo, querida amiga

    ResponderEliminar
  2. Uma bela e sentida homenagem, Teresa! Pelo menos assim o entendi, perante uma partida... de alguém que para sempre se nos fica!...
    Beijinho!
    Ana

    ResponderEliminar
  3. Teresa, como gostaria de deixar um comentário nessa verdadeira pérola que é a língua mirandesa!
    Assim...limito-me a registar com muito gosto o teu talento no belissimo poema com que prestas homenagem a um porta mirandês de grande relevo.

    Um beijo, querida amiga e um bom domingo!

    ResponderEliminar
  4. Que bonita homenagem, Teresa. Quanta musicalidade tem a língua mirandesa. Aprendi a apreciá-la contigo. Obrigada.
    Uma boa semana com muita saúde, minha Amiga.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. Teresa,
    Encantada com
    sua publicação homenagem.
    Bjins de boa nova semana
    CatiahoAlc.

    ResponderEliminar
  6. Querida Teresa.
    Que homenagem admirável fizeste pela despedida do amigo que admiravas!...
    Partiu fisicamente, mas deixou uma obra certamente notável no engrandecimento da região e da língua de Miranda...
    Abraço sentido de sincera solidariedade.
    ~~~

    ResponderEliminar
  7. Rezones para dezir tenho eu... já que o poema de homenagem ao amigo que partiu é brilhante.
    Uma dúvida: não há a letra "v" em mirandês? Se assim for, a minha tese está certa de que o "b" chega para as duas. No Minho quase ninguém usa o "v"... as bacas de Biana são tão baidosas como as das bilas... acho que bamos bencer no próximo acordo ortográfico...
    Desculpa a brincadeira perante um poema tão sério.
    Bom fim de semana, querida amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. Poema que é um verdadeiro abraço, daqueles demorados, pleno de afectos...

    Um beijinho, Teresa :)

    ResponderEliminar
  9. Parabéns, o lançamento
    Deu uma obra, Tereza,
    É luz que se põe acesa
    E brilha de encantamento
    Tanto naquele momento
    E em reflexos no futuro
    A iluminar o escuro
    Espaço não atingido
    Mais algum dia, um luzido
    Dela, dará um clarão em tudo!

    Parabéns, querida! Grande abraço! Laerte.

    ResponderEliminar
  10. Bom dia, querida Teresa

    Chego um tanto atrasada a esta publicação, mas é sempre tempo para ler e apreciar os seus belos poemas, mormente na deliciosa língua mirandesa.

    Fui procurar mais sobre Amadeu Ferreira e vi que partiu cedo demais, mas deixa obra que não o deixará morrer, além da amizade e dedicação de amigos e colegas. Gostei de ver que procedeu a muitas traduções da Cultura Clássica e que foi grande divulgador do mirandês.

    Bela homenagem.

    Bom fim de semana, minha amiga.

    Beijinhos
    Olinda

    ResponderEliminar

Voltarei!