O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

sábado, 1 de outubro de 2011

EU SONHO

E eu sonho
nesta noite em que na terra
chispam estrelas
que uma pedra redonda feita planeta
acordou, de repente, da letargia
em que anoitecia

E eu sonho
que os montes ganharam bicos
como gritos estridentes
que picaram os céus
e acordaram os deuses
que loucos ficaram
com a loucura que  viram à solta

E as palavras  poéticas que deixaram
deslizavam em mares de revolta
e o planeta azul deixou de ser
o fogo do amor perdeu a chama
para em pedra se converter

E eu sonho
Que chisparão palavras feitas estrelas
de ternura,  beleza e clarividência
e com o brilho e a força delas
a pedra ganhará perfeita  rotação
e sempre seguirá
presa ao chão

E eu sonho…

Teresa Almeida 30-09-2011

 




4 comentários:

  1. Sonhas...
    Até onde a imaginação te possa levar, jogando com as palavras em sentidos renovados...
    As palavras, sempre mediadoras de laços afectivos!
    Parabéns, amiga.
    Bjuzz :)

    ResponderEliminar
  2. Soam tão bem as tuas palavras Odete!
    Até parece que acariciam as minhas.

    Beijuzz

    ResponderEliminar
  3. E eu também sonho que um dia vou conseguir escrever assim tão bem, tão ao ritmo natural, como se as palavras nascessem dos dedos dum Poeta.
    Eu também sonho...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Nesta noite incrível, as tuas palavras confundem-se com o brilho das estrelas e dos planetas que parecem existir aquém do pôr-do-sol.

    Beijinhos

    ResponderEliminar