quarta-feira, 21 de março de 2018

Corpo de amendoeira / Cuorpo d'almendreira



 Meus braços expandem estrelas
E teus lábios breves e intensos
São violinos vermelhos
Suspensos.


Brancos são os versos do meu peito
Rasgando o espaço.

E num lapso de tempo
Pétalas entontecidas bailam na ladeira.
Rejuvenescida.

O amor é volateio. Poesia em mim
Ave e corpo de amendoeira
Chilreio de ti.

Cuorpo d'almendreira (mirandés)


 Ls mius braços sbolácian streilhas
 I ls tous suables lhábios
 Son biolinos burmeilhos
 Sustenidos.


 Brancos son ls bersos de l miu peito
 Resgando l spácio.


 I nun cachico de tiempo
 Pétalas amboubecidas beilan na cuosta.
 Remoçada.



L'amor ye sbolácio. Poesie an mi
 Abe i cuorpo d'almendreira
 cantigas de ti.

Teresa Almeida Subtil 


8 comentários:

  1. Meu abraço e meu carinho pelo Dia da Poesia!
    Beijo, Teresa.

    ResponderEliminar
  2. Uma excelente celebração às amendoeiras em flor, à primavera e à poesia. Tudo junto, o poema resultou excelente. Parabéns.
    Continuação de boa semana, amiga Teresa.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. fugaz "cachico de tiempo" que é o tempo que duram as amendoeiras floridas e seu esplendor de beleza!...

    há que saber colhê-los.
    e os versos brancos! e os violinos vermelhos

    belíssimo poema, Teresa.

    beijo

    ResponderEliminar
  4. Querida Teresa

    Um belo quadro nos pinta neste poema. Tudo convida a esse volateio de amor que o mesmo é dizer l'amor ye sbolacio.

    E a Poesia sempre em si.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  5. "Brancos são os versos do meu peito
    Rasgando o espaço".
    Brancos como as flores da amendoeira. Brancos como a inocência da infância. Brancos como o desejo de Paz dos poetas.
    Uma maravilha, o poema, Teresa.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  6. Que expressividade poética bela e sublime na
    revelação da entrega do amor:
    "Meus braços expandem estrelas
    E teus lábios breves e intensos
    São violinos vermelhos suspensos."
    E o poema todo na construção poética e melodia
    encantadoras dos teus "versos brancos",
    preenchendo o espaço da Poesia, corpo da
    tua alma inspirada, querida Teresa.

    Feliz Páscoa para ti e família!
    Beijinhos, amiga.

    ResponderEliminar
  7. Maravilhoso chilrear, em alvo manto. E a alma, essa, redescobre novo encanto.

    Abraço, Teresa :)

    ResponderEliminar
  8. Lindo poema! As amendoeiras em flor são lindas.
    Abraço.

    ResponderEliminar

HORA DA POESIA