domingo, 4 de março de 2018

Beijos pendurados

Soube que me escreveras pelos beijos cristalinos
pendurados do correio. A caixa permanecia fechada.
O portão não abria. Na espera cristalizou-se o tempo.
E as lágrimas caíam. Os poetas deliraram e corriam
a comer as sílabas que, do céu, tombavam.

Atapetado o jardim que, um dia, de verde se vestira,
sossegava na alvura macia da noite.
E a paz do silêncio era cortada por abraços gelados.
Céu e terra.

De tanto desejar marquei meu passo
na tua exuberância imaculada.
E fiz a festa. E saboreei-te neve fria.
E cometi plágio de vibração e fantasia.

Teresa Almeida Subtil
28.02.2018




Para Olinda Melo

13 comentários:

  1. Uma imagem perfeita, um quadro muito bem pintado. Consigo ver esse tempo de espera, de lágrimas e o desespero dos poetas que faziam desaparecer as sílabas em vez de comporem com elas grandes palavras de amor. Ou seria o contrário? Corriam pressurosos, delirantes, para não as deixar escapar... e depois fazerem inveja à neve e fabricarem calor e canções de embalar.

    Tudo ao contrário do que escreveu, não é querida Teresa?
    :)

    Adoro a sua escrita.

    Bj
    Olinda

    ResponderEliminar
  2. Teresa,

    Belíssimo poema no contexto obra de arte. A fotografia
    deslumbrante poeticamente em acompanhar a descrição poética
    do desejo, em "Beijos pendurados" no aguardar da emoção,
    que eternizou-se na cristalização do tempo, tempo este a
    pertencer à poesia na vibração e fantasia da beleza exuberante
    sem "plágio", vindo do coração desta inspirada poetisa,
    Teresa Almeida!...
    Parabéns pelo poema, amiga.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. A neve. O branco cristalino a encher as árvores da suspeita de um poema... E as palavras a transformarem-se em sinais de uma beleza singular...
    Um belo poema, minha Amiga Teresa.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. um poema em completa sintonia com a belissima imagem.
    gostei!
    boa semana.
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  5. Saber aproveitar os sinais climatéricos é sinal de inteligência.
    Fazê-lo com um poema como este é uma prova do enorme talento que possuis para as letras. Parabéns.
    A foto "casa" como o poema na perfeição.
    Boa semana, amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  6. gostei muito do poema, Teresa
    um verdadeiro hino à mágica beleza das paisagens floridas de neve.
    assim o compreendo.

    beijo, amiga

    ResponderEliminar
  7. Que belo poema, Teresa! Na beleza da neve brilha a sua linguagem. E nesta beleza, o novo, a materialidade do poema. E aqui a palavra se oferece à descoberta. Cabe a cada de nós descobrir e assimilar essa transfiguração.
    Um beijo,

    ResponderEliminar
  8. Abordaste a neve com uma tal delicadeza e paixão pela Natureza que esses brincos de beijos pendurados são o rendilhado na tua poesia e na tua imagem. E de tão brancos ficaram , quentes no abraço de terra e céu. E teu!
    Amo esse teu Amor pela deusa Natureza, Teresa!
    Abraço, amiga grande!

    ResponderEliminar
  9. Muito bonito, Teresa, os beijos, os sentimentos, o amor, a amizade... tudo pode congelar!
    Poema mostra muita sensibilidade. É tocante.
    Beijo, amiga! Um bom fim de semana que está chegando.

    ResponderEliminar
  10. Gostei de reler o teu maravilhoso poema.
    Parabéns pelo teu dia, o da Mulher.
    Continuação de boa semana, amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  11. Respiras poesia, amiga. E eu gosto, gosto mesmo!

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  12. https://poemasdaminhalma.blogspot.pt/
    Olá Teresa, belo poema!
    Beijos pendurados na caixa do correio e uma amor à espera...porque a caixa não abria. Gostei imenso.
    Beijinhos
    Luisa Fernandes

    ResponderEliminar
  13. Nunca vi neve em toda a minha vida.
    Este gelo descongela com o teu poema.
    Bjs

    ResponderEliminar

O Outono canta nas arribas