quarta-feira, 20 de maio de 2020

Talbeç un die / Talvez um dia


Talbeç un die!


Era maio i la madressilba stendie nas paredes
la lhiberdade abrolhada ne l córrio de las geladas,
Éran fecundos ls soles que abril sembrara
i berdes las senaras prenhadas de pan.
De seda azul era l'alma de las cantigas
i an abraços splodien puontes d'ounion.

Antrementes,
anchenas fúrun minando ls lhiçaces
i ls crabos que las puontes sigurában.
Nun fui de fartura que ls rius angordórun
nien de sperança que las puontes sbarrulhórun.
Éran moços ls suonhos que zabórun
i nuobo l sangre que ls cuorbos ancubrírun.

Talbeç na chimpa la rebeldie i la coraige se lhebánten
bretones de madressilba agárren anteiras las manhanas
i lhimpos séian ls caminos que mos spéran.
Talbeç maio torne a florir nas paredes de l canteiro
i de bico a bico gríten ls montes l’alegrie
se las cascatas cantáren la coraige i l'ousadie.

Talbeç un die!



Talvez um dia!


Era maio e a madressilva estendia nos muros
a liberdade germinada no conluio das geadas.
Eram fecundos os sóis que Abril semeara
e verdes as searas prenhes de pão.
De seda azul era a alma das canções
e em abraços explodiam pontes de união.

Entretanto,
enxurradas foram minando os alicerces
e os cravos que as pontes seguravam.
Não foi de fartura que os rios engrossaram,
nem de esperança que as pontes ruíram.
Eram jovens os sonhos que desabaram
e novo o sangue que os corvos encobriram.

Talvez na queda a rebeldia e a coragem se levantem,
botões de madressilva agarrem inteiras as manhãs
e limpos sejam os caminhos que nos esperam.
Talvez maio volte a florir nos muros do canteiro
e de bico a bico gritem os montes a alegria
se as cascatas cantarem a coragem e a ousadia.
Talvez um dia!



Teresa Almeida Subtil
(in Rio de Infinitos/Riu d'Anfenitos)


18 comentários:

  1. “Era maio e a madressilva estendia nos muros
    a liberdade germinada no conluio das geadas."

    Gostei muito deste belo poema, "Talvez um dia!" já nos seus primeiros versos, transcritos acima. Parabéns à poetisa talentosa, por mais esta obra de arte poética.

    Cuide-se, minha amiga Teresa. Beijo. Pedro

    ResponderEliminar
  2. Poeticamente perfeito. Versos lindíssimos. Puro fascínio de leitura.
    Gostei de ouvir os MadreDeus.
    .
    Saudações poéticas
    Cuide-se, proteja-se

    ResponderEliminar
  3. Bom dia. [precisa-se de tradutor] No entanto levei-o ao mesmo.
    Simplesmente belo! Amei 🌹
    -
    Intempéries no sentimento imaturo

    Beijo, e um excelente dia :)

    ResponderEliminar
  4. Vento de Março, chuva de Abril, fazem o Maio florir e sorrir.
    Yá ben l Maio pulas canhadas, spigando trigos, segando cebadas.
    Um livro muito bonito a avaliar por este belíssimo poema e pela capa.
    Deixei estes dois provérbios, retirados do meu livro «As Maias entre Mitos e Crenças», por reverência com tanta qualidade deste texto poético e da capa.
    Parabéns Teresa! Ninguém faz o nosso trilho, isto é, sempre em frente...

    ResponderEliminar
  5. A partilha é as escolhas estão magníficas!
    😘

    ResponderEliminar
  6. "Talvez um dia", como desejado um claro canto de aurora dentro da noite profunda renove a esperança der cada um de nós,
    Que bela simbologia, que belo poema!
    Um beijo, minha amiga Teresa!

    ResponderEliminar
  7. este teu livro "Rio de Infinitos", Teresa, é uma maravilha.
    e o poema é um cântico de vida.

    gostei mesmo muito.
    Arrotchado Abraço

    ResponderEliminar
  8. Um dia será outra vez Maio, as águas voltarão a encher as margens e verdes as searas prenhes de pão.
    Boas caminhadas.
    Saúde.
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Teresa, querida amiga, um dia todos nós voltaremos a ver um mundo florido, uma primavera linda, com campos cheios de flores.
    Tão oportuno...belo poema!
    Beijo, um bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  10. «Talvez um dia!»
    Cremos que sim... Um dia, Maio desabrochará profusamente decorado e perfumado de puras e risonhas flores de madressilva...
    A coragem, rebeldia e firmeza dos poetas reporá a sua genuína beleza.
    Gostei muito do poema e, mais uma vez, do jeito telúrico de te expressares.
    Dias de retiro, apesar de tudo, confortáveis.
    O meu terno abraço, querida amiga.
    ~~~~~~~

    ResponderEliminar
  11. Um maravilhoso hino, à vida e à esperança... mesmo em alturas em que os sonhos desabam... afinal... recomeçar sempre, é a grande lição que nos fica da Natureza...
    Linda a imagem... e esplendoroso o cabeçalho do blogue, Teresa!
    Beijinhos! Continuação de um óptimo domingo!
    Ana

    ResponderEliminar
  12. "Talvez maio volte a florir nos muros do canteiro
    e de bico a bico gritem os montes a alegria
    se as cascatas cantarem a coragem e a ousadia.
    Talvez um dia!" Tinha de te citar, minha Amiga Teresa. Que mais acrescentar? Talvez um dia as cascatas cantem a coragem e a ousadia. E também a esperança de que isso aconteça.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  13. Oxalá Maio volte a florir...
    Um poema de excelência, parabéns pelo talento.
    Querida amiga Teresa, tem uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  14. Cultivar a esperança, sempre!
    (E que maravilhosa forma tens tu de a manter viva, respirando talento e convicção)

    Um abraço, cara Teresa :)

    ResponderEliminar
  15. Amanhã será outro dia
    mais vermelho que os seus lábios
    Bj

    ResponderEliminar
  16. Talbeç um die! Doce a língua mirandesa.

    E há que ter esperança em dias melhores.
    Hão-de vir tempos de bonança, tendo a alegria e os abraços em cada sorriso e em cada abraço.

    Querida Teresa, este seu Poema vem direitinho ao coração, apaziguando as nossas mágoas e carências.

    Beijinhos
    Olinda

    ResponderEliminar
  17. Talvez um dia
    Tudo se transforme num solfejo de luz
    como se uma melodia
    libertasse a rebeldia
    dos doces aromas de Maio...!!

    ResponderEliminar

Voltarei!