segunda-feira, 4 de maio de 2020

Ls beisos de l riu




Cuido que nun sabes
Que yá abrírun las papoulas.
Ls bretones yá los teniemos bisto
Ou anton fui un sonho que you tube
Quando te bi a sembrá-las n’auga de l riu
Talbeç quando m’ancerrórun an casa
Y you sabie que nun ibas a deixá-me
Sien ua primavera de bersos mui acesos.

Agora las papoulas son ls lhábios de l riu
Burmeilhos de tanto roçáren ne ls mius
Si. I se nun furas poeta i se nun punisses
Quelor, cheiro i sentimento na mie jinela
Cumo passarie you la quarentena?

Abrírun las portaladas de maio
I anque znudos
La lhuç i la fuorça de la corriente
Fizo de nós un abraço
I, sien miedo, seguimos adelantre
I screbimos cumo quien sinte
La bida a spargir-se
Por ende.


Teresa Almeida Subtil







Os beijos do rio




Julgo que sabes que já abriram as papoilas


Os botões já os tínhamos visto

Ou então foi um sonho que tive

Quando te vi semeá-las na água do rio

Talvez quando me encerraram em casa

E eu sabia que não ias deixar-me

Sem uma primavera de versos

Muito acesos.



Agora as papoilas são os lábios do rio

Vermelhos de tanto roçarem nos meus

Sim. Se não foras poeta e não pusesses

Cor, perfume e sentimento na minha janela

Como passaria eu a quarentena?


Abriram as portas de maio

E ainda que despidos

A luz e a força da corrente

Fez de nós um abraço

E, sem medo, continuamos

E escrevemos como quem sente

A vida a alastrar 

Por aí.



7 comentários:

  1. Boa tarde:- Elogio a sabedoria. E mais não posso dizer
    .
    Uma boa semana
    Cuide-se

    ResponderEliminar
  2. Muito interessante a partilha!!!
    Boa semana 🙏

    ResponderEliminar
  3. Adoro a musica; quanto ao texto, falta o tradutor. Pouco entendo! :)
    -
    Farol em agitação ...

    Beijo e uma excelente semana.

    ResponderEliminar
  4. Também eu já vi papoilas, no quintal do meu vizinho, para o meu elas não vieram!
    Lindo poema, que o mês de Maio traga boas novidades!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Pois, Teresa, há papoulas, beijos do rio, maio, a música de Zeca Afonso e esta poética a nos desafiar a olhar a quarentena sem perder a confiança!
    Um beijo, minha amiga Teresa!

    ResponderEliminar
  6. Estão a cumprir muito bem o seu ciclo natural. Consegui traduzir.
    Faço de mim outro abraço.

    ResponderEliminar
  7. Um testemunho cheio de força... destes tempos de quarentena... que por aqui, não esmorecem este entusiasmo de viver e prosseguir... pelo rio da vida...
    Linda a imagem, com um formidável enquadramento!
    E o som... melhor seria impossível, para se associar a este mês!
    Mais uma publicação, com um conteúdo de excelência por aqui, Teresa!...
    Beijinhos! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderEliminar

Cativa-me