terça-feira, 6 de outubro de 2020

A estrela é o vinho

                                                                

 Pura inspiração

Que vai da cepa ao copo

Da empatia ao brinde

Da encosta à folha que tomba

Das castas aos sons

E acertos de corte

Aos tonéis, à fermentação

Ao cheiro e à cor.

 

E chegas para a prova,

Para a tertúlia na adega,

Para a boda.

Aferindo a maturidade

O “bouquet”.

 

E se não existisses

Para que serviria

A suavidade, a estrutura

A alquimia?

 

Nem é preciso especialidade

Para que saia do olhar

O prazer de estar

Que a vida é transmutação

Num processo de qualidade. 


Teresa Almeida Subtil






20 comentários:

  1. Boa tardinha de paz, querida amiga Teresa!
    Um luxo de poesia, só uma poetisa de alma poderia tecer tal proeza.
    Sorvi do melhor sabor poético.
    Tenha dias abençoados!
    Bjm carinhoso e fraterno

    ResponderEliminar
  2. Uma poema simplesmente brilhante. Adorei :))
    -
    A imaginação duma dança sem chão.
    -
    Beijos e uma excelente dia!

    ResponderEliminar
  3. no admirável ciclo do vinho - da cepa ao copo - a liturgia dos gestos e o fascínio de sabores e odores, que se erguem do poema, em cerimonial festivo

    como se a Poeta, qual sacerdotisa, evocasse antigos ritos
    e o leitor fosse convidado a entrar e mergulhar "no prazer de estar", ou seja, na fantástica celebração da Vida, que o vinho representa.

    parabéns, Teresa Almeida
    poema belíssimo!

    beijo, querida amiga

    ResponderEliminar
  4. Que maravilha Teresa!
    Enquanto na terra recalcada dos vinhedos, fermentam ainda as forças e cansaços e se apura o mosto, tu brindas-nos com esta taça do mais delicioso néctar na perfeita alquimia de um poema!
    Ergo a minha taça!

    Beijos,
    A.S.

    ResponderEliminar
  5. O vinho foi uma das grandes invenções do Homem. E, pelo andar da carruagem, vai existir até à eternidade...
    Ao teu excelente poema só falta o cheiro da fermentação para ser perfeito. E que saudades eu tenho desse cheiro.
    Bom fim de semana, querida amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  6. Ah, que belo percurso! Eu que não conhecia o ciclo do vinho, tomo contacto com ele através desta sua poesia que nos embala e faz querer também entrar e brindar à Vida.

    Teresa, minha Amiga, inexcedível nas palavras com que preparou este ambiente a um tempo telúrico e requintado, com que nos mimoseia.

    Beijos
    Olinda

    ResponderEliminar
  7. O Sol nas uvas pisado
    aos meus pés ainda pequenos
    e a cor do novo vinho
    ainda nao fermentado
    provado:
    - nem só de rosas o poema e' aroma...

    gostei muito, amiga Teresa.
    beijo

    ResponderEliminar
  8. Maravilha de poema, querida amiga!
    Só acontece a quem conhece bem os mistérios das nuances
    e subtilezas de tão raros 'bouquets'...
    Admiro o vigor da tua poesia, inspirada na bela e forte
    Terra de Miranda
    Bom fim de semana, Poeta.
    Beijinhos
    ~~~~~

    ResponderEliminar
  9. Teresa , querida amiga
    ...quase senti aqui esse cheiro a mosto , depois da colheita dos frutos , e de toda a envolvência que recordamos da nossa infância e que sempre nos seduz.
    Pausadamente meticuloso e belo!
    Um grande abraço 🌷

    ResponderEliminar
  10. A estrela e o vinho?
    O vinho é uma estrela
    Avermelhada e pra vê-la
    Basta beber um pouquinho
    De vinho e olhar com carinho
    Uma taça ao céu erguida
    Com a divinal bebida.
    Depois de um trago com amor
    Do néctar superior,
    Vê-se a estrela apetecida!

    Parabéns pelo lindo poema homenageando o vinho, bebida que tanto aprecio e tomo diariamente - o tinto, dando preferência pelos portugueses do Alentejo, Dão e Douro. Abraço cordial! Laerte.

    ResponderEliminar
  11. Haverá sempre uma alquimia a acenar com a magnitude, seja ela qual for. No caso, e em prol da bondade da terra, o vinho é expoente de festa, qual recompensa congregadora das pessoas depois do trabalho feito. E, com toda a naturalidade, surge o cantar de grandezas e misérias, que de todas elas a vida é feita.
    Bem andas tu, Teresa, sempre inspirada pelo respirar da terra.
    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  12. Um ritual que tu tão bem descreves, querida Teresa!

    Beijos e bom domingo!

    ResponderEliminar
  13. Uma homenagem poética sublime ao ciclo do vinho.
    Brindemos à vida.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Alquimia, ritual, liturgia. Tudo serve para descrever essa "pura inspiração que vai da cepa ao corpo", do sol ao copo... Magnífica a tua relação com aquilo que da terra nos chega.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  15. Esse teu belíssimo poema em homenagem ao vinho me trouxe à lembrança muitas tardes e noites passadas na Serra Gaúcha, na cidade de Bento Gonçalves, o município que mais produz vinho no Brasil, cerca de 90% da produção nacional. Daí ter me tocado essa homenagem, por ser também, um dos amantes do vinho, contudo que ele nos dá de sabor e de alegria.
    Parabéns pela bela postagem , amiga Teresa
    Uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  16. Que bela homenagem, querida Teresa, aqui em casa o vinho entra diariamente, é o nosso companheiro. Gosto em especial do Vinho do Porto. Que postagem sensível, amiga! Show!!
    Um beijo, uma ótima semana!

    "E se não existisses
    Para que serviria
    A suavidade, a estrutura
    A alquimia?"

    ResponderEliminar
  17. O apego à terra está também naquilo que é mais primário da nossa economia primária e que, afina, a Teresa tão bem canta.
    Abraço poético.
    Juvenal Nunes

    ResponderEliminar
  18. Um verdadeiro prazer esta prova... sempre de casta bem especial, por aqui, Teresa! Maravilhosa homenagem a esta cultura, tão nossa... que infelizmente, já vai dando alguns sinais de stress hídrico, como resultado das alterações climáticas... esperemos que o nosso pais pense em tomar medidas para o melhor aproveitamento dos recursos hídricos, futuramente... de contrário, a médio e longo prazo, as culturas de regadio, estarão muito condicionadas... o Tejo, em certos percursos do seu leito... já se atravessa a pé, no Verão... quando fica mais retido em Espanha...
    A imagem... um verdadeiro deslumbramento! É com verde que deveríamos cobrir a maior área possível, do nosso pais, em vez de o delapidarmos com incêndios!
    Beijinhos! Votos de continuação de uma boa semana!
    Ana

    Já me esquecia... adorei apreciar este tema de Morricone, de que não me lembrava de ter ouvido no filme mencionado...
    Beijinhos

    ResponderEliminar

RONDA LAS DEGAS/ RONDA DAS ADEGAS