sexta-feira, 1 de novembro de 2019

A Casa II


Estranha, de ausências desmedidas
Espaço imenso e paredes gretadas

E eu? A quem digo das emoções?

Nas janelas faltam chilreios
E gerânios esculpidos no horizonte.
Não vejo a ponte e as cores do alvoroço.

Só os verdes das magnólias
E as flores brancas dizem de nós.
E o azevinho de bolas vermelhas
Aproxima a ternura do Natal
Que desenhavas no olhar

Chegaram os primeiros frios
E, talvez, a fogueira
Arda no peito e o azevinho enfeite
O parapeito da chaminé
E o Natal comece hoje pela manhã
E o poema rebente na euforia de outrora
E o vazio se desfaça agora

Como se a casa voltasse
Em toda a harmonia do traço
E do laço branco que ataste
Nos meus cabelos de menina.

Teresa Almeida Subtil







13 comentários:

  1. A poesia é uma das tuas casas...
    Poema soberbo, parabéns pelo talento.
    Teresa, tem um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  2. Um lindo poema que despertou em mim a nostálgica própria dessa época!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. nunca mais as casas voltam intactas, minha querida amiga
    mas marcam a paisagem dos dias, sei bem!

    uma nostalgia serena e a finíssima dor das ausências
    num poema de grande beleza e sensibilidade.

    gostei muito. Teresa

    beijo

    ResponderEliminar
  4. Quando a infância vai ficando cada vez mais longe, as casas tornam-se mais pequenas e mais envelhecidas. Mas estão lá as pedras para gritarem todas as memórias que ficaram…
    Sempre tão belos, os teus poemas.
    Um grande beijo.

    ResponderEliminar
  5. A nostalgia do teu poema em consonância com a imagem com voz mas que nos obriga a meditar.
    Quando o vazio se instala numa casa cheia de história, a consciência aconchega-se ao silêncio para ouvir ainda, como refúgio, a estória escrita em cada objecto que fala. E aquieta-nos. Ou somos invadidos pela impotência.É a impermanência do tempo!
    Tão inquietante e belo o teu poema!
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  6. A imagem do azevinho
    Fez-me antever o Natal
    Por ti - primeiro sinal.
    Eu já o vi de pertinho.

    Viva teus versos! E um vinho
    Ao brinde entre Portugal
    E o Brasil - do litoral,
    Com muito amor e carinho!

    E mais um viva à Teresa!
    Repouso a taça na mesa
    E corro a ti, a um abraço

    Pelo teu lindo poema
    De uma beleza suprema
    Terminado em alvo laço!

    Belíssimo o teu poema, Teresa! "O gerânio esculpido no horizonte" é demais! Linda figura! Parabéns! Abraço cordial! Laerte.

    ResponderEliminar
  7. Uma casa de família antiga, um outono que arrefece
    e aprofunda o silêncio da natureza, falta de aconchego
    e de emoção, evoca-se o Natal como encorajamento e como
    alivio da nostalgia.
    Novembro é, mesmo, assim... e o teu poema está belíssimo.
    Abraço grande, querida Teresa.
    Tudo pelo melhor.
    ~~~
    ~ Ps ~ Também usei laço no cabelo...
    ~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho hoje no A Vivenciar uma homenagem especial.
      Beijinhoa
      ~~~~

      Eliminar
  8. Não sei, que fascínio e que perfume pões tu nos teus poemas, não sei, mas sei que me agradam sobremaneira, Teresa!

    Recordações de outrora, da Casa II, como lhe chamas, onde tudo lembra a saudade. O tempo não volta atrás, já todos sabemos, todavia tu consegues pôr-te e pormo-nos em sintonia com esses tempos e lugares. Tão bom!

    A música escolhida, tal como a fotografia continuam as tuas bonitas e sentidas palavras em verso. Tão rico o teu vocabulário, as tuas comparações e metáforas! Obrigada!

    Beijos e boa semana.

    ResponderEliminar
  9. Querida Teresa

    Demorei um pouco a vir habitar esta casa, tão bela, que nos fala de coisas passadas mas que permanecem no sentir nas recordações. Uma nostalgia boa, um laço branco, uma menina e todo um mundo de Poesia, com que a minha Amiga faz os nossos dias mais harmoniosos.

    Adoro lê-la, Teresa. Saio daqui mais em paz comigo, levando no coração um presente inestimável.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  10. Gosto desta leveza na palavra esculpida, nos laivos das memórias e sonhos e seivas de vida, do coração cristalino do lugar, da melancolia, de tudo com o que você veste o poema. Deste claro canto dentro da Casa evocada! Do jorro poético que nos lava a alma!
    Como diz a Olinda, como nos faz bem ler-te!
    Um beijo, minha amiga Teresa!

    ResponderEliminar
  11. Gostei muito de reler este excelente poema.
    Querida amiga Teresa, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  12. Adorei esta casa, tão plena de boas memórias...
    Mais uma pura maravilha poética, que é uma verdadeira delícia apreciar!
    Beijinho
    Ana

    ResponderEliminar

Voltarei!